A LIBERDADE É AMORAL

Local de discussão livre sobre todos os temas sociais.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  

Compartilhe | 
 

 UMA POLÍTICA DE VERDADE...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sab Ago 29, 2009 12:37 pm

ESTUDOS DE OPINIÃO...

A ONU resolveu fazer uma grande pesquisa mundial.

A pergunta era:

"Por favor, diga honestamente, qual a sua opinião sobre a escassez de alimentos no resto do mundo."

O resultado foi desastroso.

Foi um total fracasso:

Os europeus do norte não entenderam o que é "escassez".

Os africanos não sabiam o que era "alimentos".

Os espanhóis não sabiam o significado de "por favor".

Os norte-americanos perguntaram o significado de "o resto do mundo".

Os cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre "opinião".

E o parlamento português ainda está a debater o que significa, "DIGA HONESTAMENTE".


Última edição por Anarca em Qui Mar 18, 2010 7:54 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qui Mar 18, 2010 7:51 pm

EÇA DE QUEIROZ escreveu em 1871

"Estamos perdidos há muito tempo... O país perdeu a inteligência e a consciência moral.
Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada.
Os carácteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência.
Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida.
Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.
Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.
Diz-se, por toda a parte, o país está perdido!
Algum opositor do actual governo?
NÃO!"
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qui Mar 25, 2010 12:54 am

Belmiro de Azevedo: "País está desgovernado"

O presidente do grupo Sonae, Belmiro de Azevedo, disse hoje, quarta-feira, que é cada vez mais evidente que o país está desgovernado, considerando que todos vão pagar a conta da descida do 'rating' de Portugal.

"Nós vivemos agora numa situação em que cada vez se nota com mais evidência que o país está desgovernado", afirmou à Agência Lusa Belmiro de Azevedo quando confrontado se esperava a descida 'rating' de Portugal, anunciada hoje pela agência de notação financeira Fitch, face à situação da economia portuguesa.

A Fitch desceu hoje o 'rating' português para AA-, colocando Portugal num grupo que inclui também a Irlanda, a Itália e o Chipre, descida que foi a primeira que a economia portuguesa sofreu nos últimos 12 anos.

O empresário, que está presente na inauguração do LeiriaShopping, o maior centro comercial de Leiria, acrescentou que "não há milagres" e "quem não tem dinheiro não tem vícios", considerando ainda que "vamos todos pagar a conta".

"A descida do rating significa aumento do juro, menos dinheiro e mais caro", acrescentou, frisando que "o problema de crescimento resolve-se com a criação de emprego e empregos que do ponto de vista do investimento têm de ser baratos".

A principal consequência da descida do 'rating' é o previsível aumento dos custos de financiamento do país no exterior, que depois se vão repercutir nos custos dos empréstimos externos que os bancos contraem e, finalmente, na despesa das famílias quando contraem empréstimos bancários.

(Jornal de Notícias)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sex Maio 07, 2010 9:21 pm

Xadrez e Política...

Já repararam que o xadrez, inventado há uns séculos atrás pelos persas, é o modelo perfeito da sociedade ocidental? Então vejam bem:

O tabuleiro é dividido numa óptica completamente norte-americana, ou seja, monocromática: de um lado estão os bons e do outro estão os maus. Índios e cowboys. Pretos e brancos. Ocidentais e muçulmanos. Quer um lado quer o outro têm a mesma legitimidade no tabuleiro embora cada lado ache que tem mais legitimidade que o outro.

Em cada lado do tabuleiro encontramos duas linhas de peças. Na linha da frente todos as peças são iguais e têm como objectivo proteger as peças da linha de trás. Por isso mesmo são normalmente as peças da frente a levar a maior parte da porrada.

Na linha de trás as peças são diferentes entre si e também possuem habilidades diferentes. O objectivo das peças da linha recuada é safarem-se o melhor que puderem enquanto a mama não acabar.

A análise de cada peça dá-nos a real dimensão do génio persa ao inventar este jogo:

Os Peões (que representam o povo) ocupam toda a linha da frente movendo-se vagarosa e penosamente sempre a direito, sem hipótese de recuar, em direcção ao fundo do tabuleiro na vã esperança de se transformarem noutra peça qualquer. Escusado será dizer que raramente atingem esse objectivo, acabando sacrificados e comidos a meio do percurso.

Os Bispos (que representam a santa igreja) ladeiam as duas peças mais importantes do jogo e movem-se livremente pelo tabuleiro, embora sempre de um modo enviezado: os seus movimentos nunca são frontais.

Os Cavalos (também conhecidos por bestas, ou alimárias) são os políticos. Têm uma progressão esquisita no tabuleiro. O seu movimento em «L» faz com que seja pouco claro para onde vão a seguir. São as únicas peças que têm a capacidade de saltar indiscriminadamente por cima das outras.

As Torres (que representam o funcionalismo público) encontram-se nas extremidades do tabuleiro e estão entaladas entre os políticos e o povo. São as peças mais previsíveis da sua fileira: movem-se linearmente para trás e para a frente, para a direita e para a esquerda, conforme lhes convém ou lhes é permitido.

A Rainha (que simboliza o governo) é a peça mais exuberante do xadrez. E a mais perigosa também, devido à sua capacidade de se mover a seu bel prazer para todo o lado e à velocidade que lhe der mais jeito. Todo este ecletismo torna a Rainha na mais feroz defensora do seu Rei.

Finalmente temos o Rei, a peça mais importante do jogo, que simboliza a mama: quando acaba a mama acaba o jogo. Por isso, o Rei é a peça que todas as outras tentam proteger.

Enfim, algumas peças protegem mais a mama que outras... mas isso já os Persas sabiam quando inventaram o jogo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qui Maio 13, 2010 6:49 pm

TOTUS LARAPIUS ET PROSTITUTUS !!!

Portugal, a Europa e o Mundo estão a bater no fundo! Não há volta a dar-lhes com palavras mansas.

O sangue vai correr e imprevisível será o caudal que terá !

Afinal a Democracia não é solução para nada para a má fraça raça que se tornou a humanidade!

A democracia tornou-se o escudo protetor e o todo poderoso " padrinho ", chefe protector dos bandidos e dos mafiosos e o ópio dos ingénuos que pensa que o voto vale alguma coisa!

Assim, com os políticos a prometer uma coisa e a fazer outra, a dizer-se servidores da nação para enganar os todos e melhor se servirem dela, não há regime que possa sobreviver: o mesmo aconteceu com os grandes impérios quando, depois de exigir e de sacrificar a vida de milhões de filhos do povo, os tribunos e os senadores começaram a satisfazer os seus instintos animais em orgias e bacanais, pagos com os impostos.

Em Portugal acontece o mesmo, com " boys " e " vacas " sagradas a viverem à grande e à francesa com os cartões de crédito que a República lhes disponibiza, ou a passear a " safadeza " e a " vaidade " em " jobs " estratégicos, onde tudo é permito, porque o povo é que pagará as dívidas quando os credores baterem à porta da dita cuja centenária, uma meretriz viciada e gangrenada que nunca mais morre.

Em meio século vi muita coisa e muito " cobarde " e muito larápio, mas os que nos governam são de uma raça transgiénica, resistente ao pudor, à honra e à dignidade.

Quando lhes radiografio a alma fico atónito e pergunto-me que não serão eles extra-terrestres ou os descendentes de Sodomo e Gomorra!

Esta cambada de travestis, prostitutos e larápius não tem, seguramente, o sangue vermelho ou, provavelmente já descobriu uma máscara invisível para empalidecer a vergonha e, assim, terem cara de santos !

Até quando vai o povo português aturar estes latados?
Ah! Se eu acreditasse nas 70 virgens e nas delícias de Allah !!!

(Sol - LMP - Luxemburgo, 13-05-2010)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sab Maio 15, 2010 5:55 pm

A Revolução...

Os manifestantes em coro gritavam todos:
- “Revolução! Revolução! Revolução!”
Mas de entre as vozes, destacava-se uma que soava diferente:
- “Menstruação! Menstruação! Menstruação!”
Foi prontamente corrigido:
-“ Camarada, não é menstruação, é revolução. É a revolução, camarada!”
E a resposta:
- “Camarada, revolução, menstruação, vai tudo dar ao mesmo. O que interessa é que haja sangue!”
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Seg Maio 17, 2010 7:22 pm

MAÇONARIA PORTUGUESA

( "Grande Oriente Lusitano")

O que infelizmente TODOS nós assistimos em Portugal não tem nada que ver com a Maçonaria Brasileira. Princípios TOTALMENTE diferentes e objetivos OPOSTOS!

Em Portugal, quem entra para a Maçonaria NÃO vai servir o "próximo"!

Vai para "se servir a ele PRÓPRIO"!

Vejamos alguns exemplos dos membros conhecidos da Maçonaria Portuguesa do GOL-CLIPSAS:

António Reis (GRÃO-MESTRE), Armando Vara, Isaltino de Morais, António Almeida Santos, José Sócrates, João Soares, Mário Soares, Rui Pereira, Ricardo Sá Fernandes, José Sá Fernandes, António Vitorino, Carlos Zorrinho, Arons de Carvalho, Augusto Santos Silva, Jorge Coelho, Joaquim Raposo, Rui Pena, José Luís Arnaut, Dias Loureiro, Edite Estrela, Henrique Neto, Henrique Granadeiro, Santos Ferreira, João Proença, António Maria Pereira, Teresa Ricou, Jorge Vasconcelos, José Penedos e seu irmão Artur Penedos, Noronha do Nascimento, Moita Flores, Vasco Franco, Murteira Nabo, Paulo Pedroso, Pinto Monteiro, Rui Vilar, Jorge Sampaio, Sérgio Sousa Pinto, Vieira da Silva, Vítor Constâncio, Vasco Lourenço, Rui Paulo Figueiredo, Rui Gomes da Silva, Pedro Silva Pereira, Sousa Lara, Fausto, Nicolau Breyner, Nuno Vasconcelos, Mário Lino, Manuel Alegre, Maria Belo, José Magalhães, Ferro Rodrigues, José Fanha, José Cravinho, Basílio Horta, Alberto Martins, António Mexia, Ana Fernandes, António Costa, Almerindo Marques, Maldonado Gonelha, Alberto Costa, etc., etc., etc.

Todos MUITO BEM na VIDA.

Todos a auferir FABULOSOS ORDENADOS, BÓNUS, PRÉMIOS, AJUDAS DE CUSTO, que oneram o País em CENTENAS DE MILHÕES DE EUROS TODOS OS ANOS! Todos a auferirem de VIATURAS DE LUXO e respectivos MOTORISTAS (sempre no minímo 2), pagas pelo Erário Público.

Os MAÇONS em Portugal NÃO querem saber da Fraternidade, nem da Liberdade e muito menos da Igualdade!

Os MAÇONS em Portugal só estão PREOCUPADOS COM UMA ÚNICA COISA, que é:

"SACAR O MAIS POSSÍVEL E NO MAIS CURTO ESPAÇO DE TEMPO POSSÍVEL".

Para que é que nós Portugueses, queremos estes maçons? Para nos aumentarem os IMPOSTOS? Para porem o País no estado em que está? Com DOIS MILHÕES (Portugal tem 10 milhões de habitantes) a viver no "limiar do estado de pobreza", para não dizer de MISÉRIA? Com uma taxa de desemprego, que em algumas regiões do País, está em cerca de 20%? Para porem Portugal com uma DÍVIDA PÚBLICA "ASTRONÓMICA"?

Mesmo que Portugal tivesse no seu território minas de ouro, de diamentes e poços de petróleo, NÃO HAVERIA DINHEIRO SUFICIENTE sequer para atingirmos o "BREAK-EVEN", dadas as CENTENAS DE MILHÕES DE EUROS para pagar a esta "GENTE"!

Publicada por Bar do Alcides
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Ter Maio 25, 2010 1:36 pm

Oswald Le Winter

Oswald Le Winter é um austríaco, ex-agente da CIA, já viveu em Portugal, onde tem livros publicados, e agora reside na Alemanha.

Está proibido de entrar nos EUA.

É considerado incómodo.

Na edição de Março da revista "Magazine - Grande Informação" dá uma entrevista excelente e bizarra a Pedro Pizarro.

Sobre a II Guerra Mundial e o ataque a Pearl Harbor, que poderia ter sido evitado.
Sobre a Guerra Fria e os filipinos que disfarçou de vietnamitas, obrigando-os a matar pessoas.

Sobre a sua entrada para a CIA e a sua primeira missão na Bolívia.

Sobre Che Guevara e o envolvimento de George Bush pai na morte do ícone comunista.

Sobre o Vietname e o tráfico de droga.

Sobre a Alemanha e os seu contributo para a queda do Governo de Helmut Schmidt.

Sobre Bin Laden e a facilidade de entrar em contacto com o terrorista quando George Bush filho o considera em parte impossível de identificar.

E sobre Portugal:

Sobre o maquinado fim do império africano;

Sobre Frank Carlucci "presidente da República e primeiro-ministro português";

Sobre a ligação de Mário Soares à CIA;

Sobre o caso Camarate e a auspiciosa ascenção de Pinto Balsemão depois da morte de Sá Carneiro;

Sobre a curiosa venda de armas ao Irão, até então proibida, no dia a seguir à sua morte.

E a apoteose:

"Então já percebeu porque tiveram como candidatos a Presidente da República um antigo homem da CIA, Mário Soares, e uma pessoa que conhece bem esses negócios de vendas de armas, Cavaco Silva;

Cavaco Silva era o primeiro-ministro e, segundo sei, foi o último ministro a reunir, precisamente com Sá Carneiro e Amaro da Costa...

PS - Uma entrevista de revelações em 12 páginas absolutamente imperdível.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Seg Jun 28, 2010 11:11 pm

UMA QUESTÃO DE HONRA

Numa conferência de imprensa, onde também estava um bêbado ao fundo da sala, um repórter de TV fez uma última pergunta aos três políticos presentes (o presidente da Câmara Municipal, o Presidente da República, e o Primeiro Ministro):

“Meus Senhores, se fossem solteiros, com quem gostariam de casar?”

O primeiro a responder foi o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa:

“Com a Miss Universo, a mulher mais bonita do Mundo!”

E o bêbado, lá no fundo, aplaude e grita:

"Isso mesmo, muito bem, casou pela beleza, muito bem!”

A seguir, o Presidente da República responde:

"Eu casava-me com a minha mulher, porque ela ama-me e eu a ela!”

E o bêbado, mais uma vez:

“Muito bem, é assim mesmo, casamento por amor! Muito bem!”

Por último, o Primeiro Ministro, para ficar bem, dá a sua resposta:

“Eu casava-me com Portugal! Pois o meu coração pertence a este país!”

E o bêbado, num grande estardalhaço:

“É assim mesmo! Isto é que é um homem honrado! Fodeu, tem que casar!Bravo!”
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sex Jul 02, 2010 1:37 pm

Retirado do Manifesto anti-Dantas, de José de Almada-Negreiros:

BASTA PUM BASTA!
UMA GERAÇÃO, QUE CONSENTE DEIXAR-SE REPRESENTAR POR UM DANTAS É UMA GERAÇÃO QUE NUNCA O FOI! É UM COIO D'INDIGENTES, D'INDIGNOS E DE CEGOS! É UMA RÊSMA DE CHARLATÃES E DE VENDIDOS, E SÓ PODE PARIR ABAIXO DE ZERO!
ABAIXO A GERAÇÃO!
...
E FIQUE SABENDO O DANTAS QUE SE UM DIA HOUVER JUSTIÇA EM PORTUGAL TODO O MUNDO SABERÁ QUE O AUTOR DOS LUZÍADAS É O DANTAS QUE N'UM RASGO MEMORÁVEL DE MODÉSTIA SÓ CONSENTIU A GLÓRIA DO SEU PSEUDÓNIMO CAMÕES.
...
PORTUGAL QUE COM TODOS ESTES SENHORES, CONSEGUIU A CLASSIFICAÇÃO DO PAIZ MAIS ATRAZADO DA EUROPA E DE TODO O MUNDO! O PAIZ MAIS SELVAGEM DE TODAS AS ÁFRICAS! O EXILIO DOS DEGRADADOS E DOS INDIFERENTES! A AFRICA RECLUSA DOS EUROPEUS! O ENTULHO DAS DESVANTAGENS E DOS SOBEJOS! PORTUGAL INTEIRO HA-DE ABRIR OS OLHOS UM DIA - SE É QUE A SUA CEGUEIRA NÃO É INCURÁVEL E ENTÃO GRITARÁ COMMIGO, A MEU LADO, A NECESSIDADE QUE PORTUGAL TEM DE SER QUALQUER COISA DE ASSEIADO!
MORRA O DANTAS, MORRA! PIM!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qua Jul 07, 2010 1:29 pm

O Pior Português de Sempre

A pergunta é:

"Que político/personalidade mais contribuiu para a ruína do nosso País?"

De acordo com uma votação no site http://piorportugues.blogs.sapo.pt/ o resultado é o seguinte:

Álvaro Cunhal - Porque negou até ao fim que tenha havido um lado menos bom do estalinismo

Aníbal Cavaco Silva - Porque promete enquanto Presidente da República resolver precisamente tudo aquilo que provocou enquanto primeiro-ministro

D. Afonso Henriques - Porque fez com que o momento de fundação de Portugal ficasse marcado por um filho a sovar a mãe. Quem tem como primeiro rei uma espécie de Tony Soprano, não pode esperar grande coisa.

Cavalo do Infante D. Afonso, filho de D. João II - Porque não tivesse D. Afonso caído da montada e morrido, teria governado Portugal, Castela e Aragão. Quem disse que os animais não pensam?

António Guterres - Porque nos disse que endividar era bom e fez como aqueles gajos que pedem rodadas para os amigos e depois deixam-nos a arder com a conta

D. Sebastião - Porque até hoje ainda estamos à espera que um adolescente amaricado nos venha salvar

Durão Barroso - Porque, enquanto presidente da Comissão vem para cá lançar postas de pescada como se fosse tão responsável por isto como pelo défice da Letónia

Irmã Lúcia - Porque poderia ter dito, muito simplesmente, “oiçam, aquilo de Nossa Senhora aparecer em cima de uma árvore... eu estava a brincar, pessoal”. E o País seria hoje diferente.

Mário Soares - Porque não há livro, estudo, ensaio ou artigo sobre o Portugal contemporâneo em que não tenhamos de levar com o nome de Mário Soares. Por simples coerência, o seu nome também aparece nesta lista

Oliveira Salazar - Porque fez de Portugal um País de agricultores analfabetos e mesquinhez amorfa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Seg Jul 12, 2010 1:21 pm

DIFICULDADE DE GOVERNAR

Todos os dias os ministros dizem ao povo como é difícil governar.
Sem os ministros o trigo cresceria para baixo em vez de crescer para cima.
Nem um pedaço de carvão sairia das minas se o chanceler não fosse tão inteligente.
Sem o ministro da Propaganda mais nenhuma mulher poderia ficar grávida.
Sem o ministro da Guerra nunca mais haveria guerra.
E atrever-se ia a nascer o sol sem a autorização do Führer?
Não é nada provável e se o fosse ele nasceria por certo fora do lugar.

É também difícil, ao que nos é dito, dirigir uma fábrica.
Sem o patrão as paredes cairiam e as máquinas encher-se-iam de ferrugem.
Se algures fizessem um arado ele nunca chegaria ao campo sem as palavras avisadas do industrial aos camponeses.
Quem, de outro modo, poderia falar-lhes na existência de arados?
E que seria da propriedade rural sem o proprietário rural?
Não há dúvida nenhuma que se semearia centeio onde já havia batatas.

Se governar fosse fácil não havia necessidade de espíritos tão esclarecidos como o do Führer.
Se o operário soubesse usar a sua máquina e se o camponês soubesse distinguir um campo de uma forma para tortas não haveria necessidade de patrões nem de proprietários.
É só porque toda a gente é tão estúpida que há necessidade de alguns tão inteligentes.

Ou será que governar só é assim tão difícil porque a exploração e a mentira são coisas que custam a aprender?

(Bertold Brecht)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qua Jul 21, 2010 11:43 am

Infelizmente, ainda acreditamos demais e pensamos de menos. A rigidez e a manipulação da crendice política é a forma como temos sido controlados. Demasiadamente, controlados.
Em pleno SEC. XXI ainda existem homens de fato e gravata, sentados a bonitas mesas, a conjecturar aquilo em que devemos acreditar ou não. Quantas vezes nos têm dito que a Extrema Esquerda é diferente da Extrema Direita . Nada há de mais enganador. A Extrema Esquerda, se representada por Estaline, acreditava numa centralização do poder, na ditadura militar e nos campos de concentração. A Extrema Direita, simbolizada por Hitler, acreditava numa centralização do poder, na ditadura militar e nos campos de concentração. Onde estão as diferenças? Então se retirarmos a retórica da cortina de fumo, no fundo, trata-se do mesmo. No entanto, estes dois opostos foram para a guerra. Mas os conflitos ao longo das épocas não têm sido entre opostos, ma são antes versões do mesmo estado de espírito: o desejo de controlar os outros, que é o mesmo que dizer, nós povo.
Vejo “socialistas” a afirmarem serem diferentes de “capitalistas”, mas no seu núcleo não o são. Nos seus fundamentos, são dois lados da mesma onda cerebral (cartelização) apontados como dogmas opostos, a oferecerem visões alternativas. À Direita, querem parar o fluxo de informação que ameaça o seu dogma. À Esquerda, querem parar com o livre fluxo de informação que ameaça o seu dogma. Onde estarão as tão "procuradas" diferenças?

(Sol - PauloBelinsky, em 2010-07-20)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Ter Jul 27, 2010 1:37 pm

A maioria dos portugueses não se interessa pelo país...

A larga maioria dos portugueses residentes no continente não se interessa pelo país, declara-se infeliz e é pessimista quanto ao futuro, indica um estudo da TNS Portugal, líder mundial em estudos de mercado sobre o consumidor.

O estudo «O Poder de Sedução de Portugal», que visa dar a conhecer o nível de envolvimento dos portugueses com Portugal, como marca, permitiu concluir que 85 por cento da população portuguesa residente em Portugal continental não está «envolvido» com o país.

No entanto, apesar do pessimismo, os portugueses não optam pela emigração devido ao custo da saída e às dificuldades de mobilidade da família e do emprego, sustentou o director-geral da TNS, Luís Simões, num encontro com jornalistas.

O estudo baseou-se em 800 entrevistas a portugueses residentes no continente, a 250 portugueses residentes em França e outros 250 com morada em Espanha, dos 18 aos 60 anos, feitas entre 24 de Março e 11 de Abril de 2005.

Nas entrevistas, 42% dos portugueses declaram-se infelizes e quanto às expectativas face ao futuro são dos mais pessimistas de todos os residentes no conjunto dos 25 países da União Europeia.

Luís Simões diz que Portugal é «um país mais atractivo para os portugueses não residentes, enquanto os residentes não se interessam por ele».

«Se Portugal fosse uma marca e, se nada fosse feito, estaríamos em risco de desaparecer», realçou.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qua Ago 25, 2010 5:06 pm

Redução do Deficit - Método Neoliberal

23.07.2010

Ultimamente, tem-se discutido sobre a intenção do PSD, apregoada pelo neoliberal ferrenho Pedro Coelho acerca das suas ideias sobre uma constituição que permita a destruição do sistema de saúde e consequente substituição por outro que consagre um sistema de classes.

Quer classes de ricos e pobres com direitos e regalias distintos? Será possível ser-se mais falso? Fácil de passar quando a própria população, nas suas conversas e no que escreve, admite a existência de classes, nomeando-as. Ou seja, o seu subconsciente sabe que a democracia neste país não existe, pois que havendo classes não pode haver democracia: ou uma ou outra, pois que na prática uma impede impreterivelmente a existência da outra.

«A Constituição não pode ficar cristalizada.» – Pedro Coelho, o hipócrita.

Nas democracias mais antigas, as constituições têm durado cerca de 100 anos ou mais. Nos EUA, parece que todos devam conhecer que tem mais de 220 anos. Em França, a constituição de 4-11-1848 durou até 1946. A constituição federal suíça de 28 de Maio de 1874 durou até 18 de Abril de 1999. De notar que países que sofreram grandes transformações com as consequentes das duas Guerras Mundiais, quase todos renovaram as suas constituições. Este caso, porém, não é o nosso, que não houve cá guerra.

Em vista destes dados reais, o Pedro Coelho revela-se assim um miserável ganancioso e irresponsável, em que as suas falsidades se baseiam numa incrível contradição da própria história.

Outro mito que este indivíduo tem criado é a confusão sobre o direito à saúde, a ponto de que muitos duvidam hoje sobre se esse direito é ou não um direito obrigatório democrático. O direito à saúde é muito mais do que isso. De acordo com todas as organizações mundiais de Direitos Humanos o direito à saúde faz parte integrante dos Direitos Humanos Universais.

A questão da gratuitidade dos serviços de saúde universais também está a ser usada como areia para deitar aos olhos da população, mais uma vez (como de costume) devido à ignorância geral cuja culpa se deve quase exclusivamente à desinformação sistemática por uma jornaleirada pedante que não cumpre o seu dever profissional. Em lugar de informarem sobre questões de interesse fundamental, escondem esses conhecimentos e até o que se passa e como se procede em países democrática e socialmente mais avançados.

A saúde nunca é gratuita nem pode ser. O dinheiro de algum lado tem que vir porque ela custa e bastante. Afirmar que ela seja gratuita só pode ser falso e despropositado. Tanto pode vir dos impostos como de participações individuais. O que está em causa é o direito a ela para todos, como abaixo indicado. Se é cara e o dinheiro não chega, não é motivo para deixar a maioria da população sem esse direito, segundo a vontade expressa do novo PSD neoliberal. Não existe qualquer razão pare que não se aumente substancialmente a verba dedicada a esse serviço altamente humanitário, caminho que o PSD e o Pedro Coelho escondem com perversidade. Afinal, se é o que se tem passado nos outros países, porque o nega ele para Portugal.

Mais uma vez se cita o exemplo da Suíça – que não é senão um entre os outros países avançados – apenas por se tratar de um dos países mais ferrenhos na sua política de direita, mas de direita democrática e não como os partidos impostores nacionais, sobretudo os de direita, mas também os outros.

O serviço nacional de saúde da Suíça sempre foi privado, mas funcionando em regime de mutualidade, assegurado por companhias privadas estreitamente controladas pelo estado. Com o passar dos anos, chegaram a gerar-se grandes diferenças entre as tarifas aplicadas pelas seguradoras, a ponto do serviço começar a deixar de ser democrático por os encargos já não serem iguais para todos. As seguradoras estavam a ser demasiado gananciosas.

Então, em 1993, o estado federal obrigou as seguradoras a alinharem-se pelas mesmas tarifas, ou seja, toda a população passou a pagar exactamente o mesmo, qualquer que fosse a seguradora. As quotizações têm aumentado, acompanhando a subida dos custos e são presentemente muito altas, mas controladas pelo estado, a quem prestam provas dos custos e relativa necessidade de aumento, quando isso se verifique.

Os serviços básicos prestados são iguais para todos, embora as seguradoras oferecem outras prestações. Estas outras, porém, não podem incluir qualquer diferença no tratamento clínico, mas apenas regalias no serviço hoteleiro incluído nas hospitalizações.

Porque é que esses abortos desinformadores jornaleiros que manipulam as informações nunca contaram aos portugueses como se passa nos outros países europeus? Essa malandragem ordinária dedica-se apenas a mentir e desinformar as pessoas ao transformar as notícias e encobrir assuntos de interesse fundamental nacional.

É uma mudança neste sentido que o Pedro Coelho apregoa? NÃO, é numa diferenciação de classes em que os que têm mais dinheiro podem obter melhores serviços clínicos, uma grande machadada num sistema já pouco democrático.

O facto esconder estes factos pelos políticos só pode ser por malvadez contra os próprios Direitos Humanos. Por que mais poderia ser? Os jornaleiros indignos que faltam à sua obrigação profissional de informar e nem tocam nestes assuntos em conluio com os corruptos, não podem ser melhores do que eles. Deste modo se verifica mais uma vez a parte da culpa directa desta banda de desinformadores degenerados na desgraça nacional, em tudo o que provocou a ignorância geral nacional por falta de informações e consequente falta de conhecimento de causa na generalidade dos assuntos importantes da vida nacional, na apreciação dos actos dos políticos, e outras causas congéneres.

Conclusão:

Propõe-se mais um afastamento da democracia num sistema já o mais afastado dela na Europa.

Os políticos portugueses são miseráveis sacanas que formam associações de criminosos agrupados em oligarquias mafiosas. São assim porque um povo de carneiros lhes permite.

A população deve ser informada e estar ao corrente do que se passa nas democracias mais avançadas e é delas que se deve copiar em lugar de continuar a aumentar a cloaca da Europa com exemplos seguidos de países miseráveis e atrasados como a Espanha. Os jornaleiros pedantes e incumpridores têm espalhado a ignorância.

Os políticos e governantes têm que prestar contas em tudo e ser controlados pelo povo, que deve ser soberano, ou então não há democracia. Controlo apertado com Democracia Directa é a única solução para a pouca vergonha nacional. Rédea curta!

Ou tomamos conta deles ou eles continuam a tomar conta de nós do modo que já tão bem conhecemos por experiência.

Estranho que certos blogs que de costume se arvoram em defensores da democracia se abstenham sobre um assunto sobre o qual se tem ouvido bradar por tudo quanto é lado!

(Democracia em Portugal)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qua Set 01, 2010 5:39 pm

A passo de carga

01.09.2010

Quatro inimigos avançam sobre Portugal a passo de carga. São eles: o défice, o desemprego, a criminalidade e os impostos. Dirigindo esta quadriga está o Governo Sócrates, que atrelou ao carro estes modernos cavaleiros do Apocalipse.

Olhando para o futuro deste país, interrogo-me sobre o tempo que levará a que a crise desemboque numa situação explosiva. É certo sermos uma terra de brandos costumes, mas até onde irão aguentar certas camadas da população?

Com as Descobertas, passámos a viver das especiarias vindas do Oriente. Mas, como sempre imprevidentes, entregámos a outros o comércio (o Tejo estava pejado de barcos estrangeiros que levavam as mercadorias para a Europa, como frisou António Sérgio) e, aqui, não desenvolvemos a economia (era mais fácil fazer trabalhar os escravos). Descoberto o filão das Minas Gerais no Brasil, passámos a viver do ouro e, cá, tudo continuou na mesma. No século XX, pendurámo-nos nos dinheiros da União Europeia, trocando a nossa agricultura e as pescas pelo PAC (responsável: o PS de Mário Soares). E agora, que todas essas benesses acabaram?

Faz pena ir hoje aos supermercados e ver que até a maioria da fruta é importada.

Ultimamente, anda o Primeiro-Ministro muito eufórico, clamando o nosso avanço em energias renováveis. Ai, é? Então qual é a vantagem para o povo quando já foi anunciado que, a partir de 2011, vamos pagar mais um por cento na energia para suportar empresas? Aqui, surge como óbvio o erro (económico) de não se ter investido na energia nuclear. Mas o país é governado por um partido submetido aos lobbies do ambiente e dos gays.

Pensarão muitos que os distúrbios em Maputo são impensáveis em Portugal. Não sei. Quando o país entrar em bancarrota, quando os subsídios acabarem, quando a fome for um facto, quando a criminalidade espreitar em cada esquina, que restará?

Muita gente olha e não quer ver. Um Medina Carreira é considerado um catastrofista. É a Cassandra portuguesa. Pois,só que,

Posted by mario-alexandre-gomes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Dom Set 19, 2010 3:04 pm

O Bloco de Esquerda e a duvida metódica com Daniel Oliveira. O PS e o "medo", com Pedro Adão e Silva do cepticismo etico e Max Weber as carradas!

18.09.2010

Quem atenta nas posições de alguns membros do Bloco de Esquerda, em relação a pedofilia, nota que entraram na onda do ataque aos magistrados e ao sistema de Justiça.

O ataque aos sistema de justiça e a estratégia usada vezes sem conta por aqueles que a querem dominar para a por ao seus serviço e dos amigos.

Daniel Oliveira ressuscitou a duvida metódica cartesiana!

Pedro Adão e Silva - hoje no Expresso - usa a bandeira de Carlos Cruz " o medo"!

Sabendo que Pedro Adão e Silva e um homem de confiança do Partido Socialista não parece difícil acreditar que o PS fará coro com Carlos Cruz na tecla do "medo".

Tudo a propósito do caso Casa Pia.

O PS e o Bloco de Esquerda convergem nos direitos dos homossexuais, lésbicas, transexuais.

As crianças vitimas de abusos sexual só são vitimas se forem abusadas por outros.

Se forem abusadas pelos seus amigos , ocasionais ou estratégicos, pelos amigos dos seus amigos, não contam. Efabulam!

A podridão instalou-se na sociedade portuguesa.

O que não tem paralelo em qualquer outro Estado da União Europeia e evidencia “ad nauseam" as razoes de ser do descalabro de Portugal.

Portugal esta nas mãos de pessoas que não teriam relevância em qualquer outro pais.

Mas aqui a mediocridade prospera.

Ao lado de uma Nação com matriz crista vive gente que professa o ateísmo, o materialismo, o cepticismo ético, que vai detendo o poder, porque vão dominando as manjedouras do Estado e vivendo do nada.

Uma revolução nova seria muito útil, para higienizar isto tudo.

(Publicada por josé maria martins)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Seg Set 20, 2010 1:14 pm

STULTIFERA NAVIS

Eis uma resenha assustadora de um País assustador, por Vasco Pulido Valente, Público:

«O país vai cada vez mais depressa a caminho de um desastre. Mas vai sem a identificação dos culpados. Tudo se passa como se o destino nos levasse para o fundo contra a vontade de toda a gente. O que não é manifestamente verdade. A lista dos loucos da semana - e só desta semana - chega para mostrar a nossa complacência com a irresponsabilidade, o erro e o delírio.

José Sócrates - A dívida pública aumentou 14,2 mil milhões de euros do princípio de Janeiro ao fim de Agosto.

A dívida directa líquida do Estado está hoje em 147 mil milhões de euros, 90 por cento do PIB (quando devia ser no máximo de 60 por cento). O défice excedeu no segundo trimestre em 6,2 por cento o défice do ano passado e o volume previsto no Orçamento (quando devia diminuir).

Os peritos falam em recessão e numa intervenção iminente do Fundo Monetário Internacional. Angela Merkel prometeu sanções. O sr. primeiro-ministro (onde foram descobrir este homem?) mandou um secretário de Estado garantir à populaça que as coisas correm lindamente. E anda, entretanto, em campanha eleitoral, como campeão do "Estado social", para que não tem, ou terá, dinheiro.

Pedro Passos Coelho - A Constituição da República, por obra da esquerda (sempre lúcida) e em particular por obra do ilustríssimo dr. Cunhal, é programática e deve ser revista. Acontece que a revisão não é uma prioridade, excepto para o sr. Pedro Passos Coelho, que não consegue perceber a evidência, mesmo se tropeça nela. Desviar Portugal para uma questão neste momento frívola e teórica (e descer nas sondagens) não o incomoda.

Consta que o eng. Ângelo Correia (onde foram descobrir este homem?) o aconselha e o aprova. Alegremente, o suicídio do PSD continua.

Ribeiro e Castro - Quem convenceu esta soturna mediocridade que alguém o queria para Presidente? Se por acaso, num espasmo de loucura, a que frequentemente é sujeito, Portugal lhe desse meia dúzia de votos, dividindo a direita, metade da população fugia a nado para Marrocos. Não se compreende como Paulo Portas não lhe aplicou ainda uma urgente e necessária martelada.

Deputados do PS, PSD e CDS - Anteontem, os deputados do PS, do PSD e do CDS recusaram condenar Sarkozy pela expulsão dos ciganos. Não vale a pena comentar. A Assembleia da República é hoje o centro da desvergonha nacional. Merecia que a deportassem para a Bulgária.»

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sex Set 24, 2010 12:36 pm

TUDO SOBRE CABRÕES

23.09.2010

Não fosse a casta reles que se banqueteia em torno do grande socialismo-Ali-Babá e faz da política pela política a Cruz com que hoje se crucifica Portugal, estaríamos um pouco mais tranquilos como os espanhóis e o seu atempado sentido de Estado.
Assim, não. O Governo teatralizará coisas sérias para que a discussão sobre o Orçamento de Salvação Nacional facilite o escondimento grotesco das suas responsabilidades.
Roubar-nos o 13.º mês, coisa que virá, pode ser imputado a outrem. Com duas de letra, talvez se liquide Pedro Passos Coelho na sua intransigência negocial, posto a jeito, aliás, para suceder a MFL no cemitério de líderes do PSD.
Perante um Governo de Ali Babás e Primadonnas, amante da tirania e disposto a tudo para se manter onde está graças a mentiras lenineanamente repetidas, há muito que não estamos no domínio da política, mas no da maldosa malignidade elevada ao extremo dentro de um puro tacticismo politiqueiro.
Passos será triturado pela máquina comunicativa do Governo e isso é inteiramente merecido porque tanta ingenuidade é moléstia comparada com a manha mais deslavada e pútrida da trupe socratina.
Cavaco, outro grande cúmplice de esta enorme podridão, assistirá a roubos fiscais sucessivos sobre as pessoas e não dirá uma palavra, deixando-nos entregues aos corruptos e desonestos políticos portugueses.
Como não haveremos de clamar pelo FMI ou por alguém que nos poupe a humilhações e ataque o sórdido despesismo corrupto das fartas clientelas intocadas até agora?!

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qui Out 07, 2010 12:58 pm

OS CULPADOS DA CRISE...

O jornal “Expresso” referiu para “Os 15 maiores erros de política económica” os seguintes “culpados”:

Cavaco Silva - Salários do Estado

António Guterres - Barragem de Foz Coa

Cavaco Silva/António Guterres/Sousa Franco - Moeda Única

António Guterres/Sousa Franco - Financiamento da Ponte Vasco da Gama

António Guterres/José Sócrates - SCUT

António Guterres/Sousa Franco - Venda imoral de Champalimaud ao Santander

António Guterres/Sousa Franco - Admissões em massa de funcionários públicos

António Guterres - Estádios do Euro 2004

António Guterres - Sustentabilidade da Segurança Social

António Guterres/Pina Moura - Congelamento do preço dos combustíveis

António Guterres/Pina Moura - As políticas e objectivos da GALP

António Guterres/Sousa Franco - Aumento da participação da Sonae na Portucel

António Guterres - Metro no Terreiro do Paço

António Guterres/Sousa Franco/Pina Moura - Brinde fiscal à Petrocontrol

António Guterres/Pina Moura - Rejeição participação EDP na Unión Fenosa

Em resumo:

Cavaco Silva ..............2 erros
António Guterres .......14 erros
Sousa Franco..............6 erros
Pina Moura ................4 erros
José Sócrates .............1 erro (Este artigo é de 2005)

Estes resultados traduzem bem o que de há muito se sabe:

Os principais responsáveis pela situação em que Portugal se encontra são os governos de António Guterres, com a comparticipação dos seus ministros das finanças e economia Sousa Franco e Pina Moura.

PS - Tirando o Sousa Franco que morreu, estão todos em grande...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sex Out 08, 2010 5:51 pm

Soneto (quase inédito)

Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.

Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.

E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,

Também faz o pequeno "sacrifício"
De trinta contos - só! - por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO Soneto escrito em 1969.

Tão actual em 1969, como hoje...

E depois ainda dizem que a tradição já não é o que era!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Sex Out 15, 2010 6:29 pm

O Mordomo

15.10.2010

Uma das mais caricatas figuras do Governo socialista é o ministro dos Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão. O homem que agora acusa Passos Coelho de falta de maturidade é uma figura que nunca viveu fora da política e uma espécie de pau-para-toda-a-colher daquela agremiação de malfeitores socialistas.

Lacão amadureceu servindo de mordomo. A ascenção tem muito a ver com a sua fidelidade canina aos chefes. Assim, era dantes um presença assídua na casa particular de Mário Soares. Murmurava-se então que estaria fazendo a corte a Isabel Soares. Mas como as opções da filha do antigo líder socialista são outras, o galanteio murchou. Não servia a filha, mas servia zelosamente o pai. Contou há tempos o jornalista José António Saraiva este episódio insólito. Tendo-se ele deslocado à residência particular de Soares - para qualquer efeito que não recordo -, constatou, com natural espanto, ser Lacão quem diligentemente lhe abriu a porta da rua e não alguma empregada ou alguém da casa. Este pormenor indicia que o esforçado socialista ali prestava pequenos serviços, não se sabendo se remunerados.

Se a remuneração não foi feita na altura devida, foi-o mais tarde, mas paga por todos nós contribuintes. Efetivamente, Lacão mudou de patrão, surgindo agora Sócrates, que o promoveu a ministro, como seu novo amo. Convicto do zelo do funcionário e com boas referências anteriores, o chefe do Governo não hesitou em o colocar na Assembleia, em contacto com os partidos da oposição. Caso fique no desemprego após a a falência do atual amo, Lacão poderá sempre tentar recuperar o antigo posto, recorrer à Casa de Santa Zita ou colocar anúncio num gratuito.

(Rumoincerto - Mário Alexandre Gomes)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Ter Out 19, 2010 12:47 pm

Ode Triunfal

«Ah, e a gente ordinária e suja, que parece sempre a mesma,
Que emprega palavrões como palavras usuais,
Cujos filhos roubam às portas das mercearias
E cujas filhas aos oito anos - e eu acho isto belo e amo-o! -
Masturbam homens de aspecto decente nos vãos de escadas.
A gentalha que anda pelos andaimes e que vai para casa
Por vielas quase irreais de estreiteza e podridão.
Maravilhosa gente humana que vive como os cães,
Que está abaixo de todos os sistemas morais,
Para quem nenhuma religião foi feita,
Nenhuma arte criada,
Nenhuma política destinada para eles!
Como eu vos amo a todos, porque sois assim,
Nem imorais de tão baixos que sois, nem bons nem maus,
Inatingíveis por todos os progressos,
Fauna maravilhosa do fundo do mar da vida!»

(Álvaro de Campos)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qui Out 21, 2010 9:58 pm

LEGÍTIMA FISIOLOGIA DO NOJO

21.10.2010

«Nojo é a única reacção que consigo ter em relação a isto. Vejo aquela gentinha de fatinho na tv e sinto um nojo tremendo: pinto de sousa enoja-me, silva pereira repugna-me, santos silva nauseia-me, emídio rangel dá-me vómitos. Prefiro olhar para uma osga putrefacta e já meio devorada pelas formigas e escaravelhos. Gente desqualificada, canalha, deslumbrada, grunha, sem um pingo de ética, sem um átomo de carácter, sem um grão de competência, sem um vislumbre de civilidade. Gente que tem a gravitar à sua volta patifes como Vara, Coelho, Penedos, Godinho, Rui Pedro Soares - moscas que volteiam em derredor dos montes de matéria orgânica defecada. Cadeia para eles todos. Desterro para eles todos. Bardamerda para eles todos.»

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Qua Nov 03, 2010 11:59 pm

É a valsa da Burguesia!
Acompanhada a compasso,
da Social-Democracia
que nos quer barrar o passo!

(Canção proletária)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: UMA POLÍTICA DE VERDADE...   Hoje à(s) 6:52 am

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
UMA POLÍTICA DE VERDADE...
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte
 Tópicos similares
-
» CCB E A POLÍTICA
» Anexo III - Política de Baixa e Reintegração.
» eletricidade estática = FRIZZ
» Grupo CCb verdade quer fazer um mutirão, para esclarecimento dos escândalos do Brás,está convocando pessoas que defendam a causa de esclarecimentos sobre o que se passa nos bastidores ccb Brás!!!!!!!!
» As Mentiras da Bíblia: a Verdade Oculta Por Trás da Religião!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
A LIBERDADE É AMORAL :: POLÍTICA-
Ir para: