A LIBERDADE É AMORAL

Local de discussão livre sobre todos os temas sociais.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 SÓCRATES - O INGENHERO

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12
AutorMensagem
Anarca

avatar

Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: SÓCRATES - O INGENHERO   Qui Mar 10, 2011 5:47 pm

A podridão do Governo de José Sócrates é igual à do Governo de Kadafy - Pobre Povo que tem o PS no Poder!!!

28.02.2011

José Sócrates governa com o apoio da Maçonaria do GOL.
A Maçonaria é uma "corporação" mafiosa, corrupta.
Os "aventais" que essa gente coloca não resistirão à hacatombe dos EUA e da Europa.
Israel, mesmo com armas nucleares será pulverizado, porque é um minusculo estado e os árabes têm hoje mil vezes mais poder que Israel.
Os EUA vão implodir nos próximos 10 anos e a Europa morreu.
Porque os "aventais" - símbolo da Maçonaria - hoje significam corrupção, pobreza, delapidação dos dinheiros públicos, manobras para engordar os amigos , para escravizar os Povos.
O Governo de José Sócrates é uma associação de amigos para proteger amigos.
Aliás, Mário Soares - um individuo sem qualidades politicas e pau mandado dos EUA, até na questão de Timor quando se acobardou perante a Indonésia e os EUA face aos massacres de timorenses , massacres apoioados pelos EUA - levou o PS a subsidiar-se na Libia de Kadafy.
Os portugueses - aborregados pela história de servilismo - têm mantido esta gente corrupta no Poder.
Mas as coisas mudaram.
Hoje Portugal já não tem escravos a trabalhar para ele , e, em boa verdade, a gente que domina em Portugal é igual``à que domina no Zimbabwe, no Uganda, na Libia.
Querem é comer e engordar sem vinculação a principios.
O Povo tem de se levantar, correr com esta gente.
Não afasto a possibilidade de uma guerra civil.
Malthus ensinou que a guerra regenera!
Não pode haver outra revolução sem sangue, como foi o 25 de Abril.
O 25 de Abril mostrou um Portugal sem tomates, sem haver caça aos inimigos, condenações à morte, sem haver vingança.
Tudo foi muito "católico" no pior sentido - sim porque os católicos são sanguinários quando se trata de defender os seus feudos - e os esbirros, toda a cambada de "chibos da PIDE", de matrafonas do regime escaparam.
Resultado: Portugal ficou com a "merda "toda anterior.
Correr com o Governo de Sócrates, com os corruptos do PS, mandar investigar as lojas maçónicas, prender os criminosos, é um imperativo nacional.
Portugal não volta a ser um grande Povo sem sangue , sem luta e sem responsabilização dos corruptos.
Os EUA, a União Europeia morreram em termos económicos e éticos.
O apoio ao bandido Kadafy - estou a vê-lo no Forte de S. Julião da Barra! - é prova de falta de sentido de Democracia. Só párias o poderiam apoiar.
Mesmo que haja a política dos interesses, já que num Estado Católico como é Portugal , a política dos interesses teria de ser as dos valores!
Mas não é porque é a política da Maçonaria, intrigista, corrupta, sem Deus nem Pátria: a política do dinheiro e da escravização dos Povos.
Julgar Sócrates e outros por crimes contra os portugueses é uma necessidade.
Pobre Povo que tem o PS no Poder!!!

Publicada por josé maria martins
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca

avatar

Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: SÓCRATES - O INGENHERO   Sab Fev 04, 2012 9:55 pm

Sócrates - Um aluno especial de corrida

03.02.2012

Resolvida a urgência de alguns trabalhos académicos, ganha alguma distância relativamente aos faits divers dos momentos, fugazes como todos, na marcha das pessoas, a tendência das coisas e o vendaval dos novos tempos, volto, com atraso mas cumprindo, à prometida análise. Sócrates, ainda.

O Expresso, na sua Revista, de 27-1-2012, pp. 24-31, traz uma reportagem sobre «A misteriosa vida de Sócrates em Paris»/«A nova vida de Sócrates em Paris», de Daniel Ribeiro. À parte, o estilo burguês soixante-huitard, os passeios de bicicleta e o jogging no Bois, casa no luxuoso 16e com empregada doméstica, flanage no Quartier Latin, e a questão pendente (e tabu...) que prolonga o artigo - «quem paga as suas despesas na excessivamente cara cidade de Paris?» (que, na Porta da Loja, se realça) -, até à contratação de «um professor particular de francês», a investigação responde a dúvidas da admissão e frequência de José Sócrates da Sciences Po, em Paris, numa caixa na página 29 da Revista: «Curso: Sócrates é um aluno "especial" em Sciences-Po».

A Sciences Po não queria explicar-se, mas a pressão mediática obrigou a instituição - pela voz de Peter Gumbel? - a fornecer algumas informações sobre a admissão e a frequência de José Sócrates. Quais?

José Sócrates está inscrito no Master de Ciência Política, variante («Menção» Teoria Política» da Escola Doutoral da Sciences Po. A notícia diz que o ex-primeiro-ministro não está inscrito em doutoramento. Porém, os doutoramentos da Sciences Po, nesta área, não têm parte curricular, senão as disciplinas do mestrado. Isto é, quem queira lá fazer o doutoramento na área da Ciência Política, tem de cursar as disciplinas da parte curricular do mestrado, salvo eventuais equivalências de cursos anteriores ou mestrado válido nesta área. Portanto, a parte curricular do mestrado para alguém, como Sócrates, com o currículo académico muito pobre, deve ser indispensável para poder passar à elaboração da tese de doutoramento.

Mas diz a notícia na Sciences Po, Sócrates é um «auditeur libre», ou seja, «um auditor, ou ouvinte, livre». Tem um «plano especial de estudos» definido com o diretor Richard Descoings. Mais: «só vai a exames se quiser, mas pode apresentar dossiês ou trabalhos de pesquisa», segundo um professor da instituição. Daniel Ribeiro diz que «Sócrates não compareceu aos exames» no final deste 1.º semestre, de uma parte curricular que dura dois anos. A fonte oficial da Sciences Po disse ao Expresso: «Sei que enviou trabalhos a professores e ele também pode ter decidido fazer apenas os exames no final do ano». Não obstante, José Lello, amigo de Sócrates, oferece outra informação ao Sol, de 27-1-2012 (citado pelo José da Loja): «ele fez os exames todos e passou». Embora, Lello insista na ficção de que, em Paris, Sócrates «apenas quer estudar Filosofia», quando a própria escola admite que Sócrates está inscrito em Ciência Política.
No que concerne à sua admissão naquele prestigiado, e muito seletivo, instituto universitário francês, o jornal obteve a informação de que «o ex-PM apresentou um dossiê de candidatura com o seu currículo escolar e profissional completo, foi recomendado por dois académicos (...) e a sua inscrição foi aprovada pessoalmente por Richard Descoings» (o diretor). Diz ainda, o Expresso, p. 28, que a Richard Descoings são abertamente contestadas as orientações pedagógicas e a gestão», uma informação que a revista Marianne e o sítio Mediapart, («il a mis en place un «système de carottes», clientéliste et autoritaire»), mencionados na Loja do José, justificam.

Mas o jornal indica que «o processo para a sua admissão em Sciences-Po foi longo e conheceu algumas peripécias porque a escolha do curso adequado ao seu perfil e a definição do seu estatuto foram complicadas». É assim desfeito a ideia, com que se podia ficar, do desmentido do embaixador Seixas da Costa, de 16-10-2011, à crónica de Paulo Pinto Mascarenhas, de 6-10-2011, de que não houve qualquer «dificuldade na respetiva admissão [de José Sócrates] naquela escola»... Na verdade, como comentei, em 17-10-2011, «se "nunca chegou" ao seu "conhecimento que tenha havido qualquer dificuldade na respetiva admissão [de José Sócrates] naquela escola", não quer dizer que isso não tenha acontecido»... E afinal... aconteceu.

Apesar da recusa em prestar informação, numa espécie de interiorização do estilo de poder do seu colérico aluno, a Sciences Po teve de dar o braço a torcer ao interesse público e à pressão mediática. Nós demoramos, mas, com a usual persistência, acabamos por vencer.

(Portugal Profundo)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca

avatar

Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: SÓCRATES - O INGENHERO   Sab Fev 18, 2012 3:59 pm

A demissão do Presidente da Alemanha e os casos de José Sócrates em Portugal

17.02.2012

O Presidente da República Federal da Alemanha é suspeito da prática de crimes de corrupção.
O Ministério Público alemão pediu de imediato o levantamento da imunidade do Presidente da Alemanha, para o investigar.
O Presidente da Alemanha demitiu-se hoje.
Em Portugal o ex-Primeiro Ministro José Sócrates foi suspeito em vários casos.
O Mº Pº português nunca teve a coragem de o investigar nem constituir arguido.
Nem de solicitar o levantamento de imunidade.
Esta é a grande diferença entre a Alemanha e Portugal.
Portugal é um país medieval, onde o amiguismo, a solidariedade maçónica, a corrupção ao mais alto nível e o compadrio reinam.
O PS teve a pouca vergonha que se sabe no caso Casa Pia.
Há toda uma sorte de gente que vcircula pelos corredores do Poder que vive de esquemas e ilicitamente, manobrando na sombra.
O Mº Pº não consegue investigar ao mais alto nível.
Para tanto os políticos e maçons usam os poderes disciplinares para vergar os magistrados.
Por isso Portugal está na miséria e a Alemanha não.

(José Maria Martins)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: SÓCRATES - O INGENHERO   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
SÓCRATES - O INGENHERO
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 12 de 12Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
A LIBERDADE É AMORAL :: GRANDES PORTUGUESES-
Ir para: