A LIBERDADE É AMORAL

Local de discussão livre sobre todos os temas sociais.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  

Compartilhe | 
 

 ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qua Out 27, 2010 3:49 pm

Francisco Lopes: “Cavaco Silva é o Presidente da crise e das injustiças sociais”

26.10.2010

A candidatura hoje anunciada de Cavaco Silva a Belém é, para Francisco Lopes, candidato apoiado pelo Partido Comunista, uma espécie de candidatura já anunciada antes de o ser, acusando Cavaco de ser “um presidente da crise e das injustiças sociais”.

Francisco Lopes assegura que gastará menos que Cavaco em campanha (Daniel Rocha)

“Cavaco Silva foi um primeiro-ministro e um Presidente da crise, das injustiças sociais e do declínio nacional e representa o agravamento da crise a que chegou o país”, afirmou Francisco Lopes ao PÚBLICO, assumindo-se como o oposto desta candidatura. “Represento uma candidatura de direito à distribuição de riqueza , Cavaco é o oposto, representa o comprometimento com os interesses económicos e financeiros”.

Sobre o facto de Cavaco Silva ter anunciado que pretende fazer uma campanha comedida em termos de custos, sem cartazes para começar, Francisco Lopes afirma: “Creio que esse é um dos pontos mais críticos em relação à falta de transparência. Ao longo dos últimos meses Cavaco Silva usou as funções de Presidente da República para fazer uma intenssíssima campanha. Como se pode compreender que vá agora reduzir as despesas? Será mesmo assim? Ainda vamos ver.”

E conclui afirmando que, mesmo que Cavaco Silva gaste metade do que a lei prevê para uma campanha presidencial, gastará decerto mais do que a sua campanha poderá gastar.

(Público)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qua Out 27, 2010 3:58 pm

O REFERENCIAL RIFADO

27.10.2010

Cavaco é indiscutivelmente honesto e simpático, um homem tradicional e de família, valha-o Deus por isso. Porém permissivo e timorato.
Ele gostou de Maria de Lurdes Rodrigues, uma sádica ensandecida, e apoiava-a. Esteve mal. Deveria gostar, em vez dela, de Santana Castilho e apoiá-lo.
Gostava de Dias Loureiro. Fez mal. Deveria gostar de nós e despachá-lo a pontapé do Conselho de Estado, a tempo e horas.
Dinamitou Santana-Primeiro-Ministro, num artigo tão manhoso e oportunista como profético, no Expresso de 27 de Novembro, 2004. Fez mal.
Em lugar de Santana, viria a surgir a verdadeira Moeda Má, falsificada e falsificadora, fonte de sofrimentos recentes, actuais e futuros.
Sofrimentos para si-Cavaco (mil vezes maltratado, torpedeado, combatido pela horda socialista a mando de esse Primadonna).
Sofrimentos, privações, para o País, para nós, em 2011 e pelos anos seguintes, com ou sem FMI, por cada novo pobre, falência, desempregado, parturejados por este Abominável Orçamento e o caminho que nos trouxe à maior parte enganados até ele.
Por isso, não votarei no "referencial" rifado Cavaco.
Votarei em Nobre, homem solidário e compassivo, desprendido, exossistema.

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sex Out 29, 2010 8:18 pm

Cavaco arrasa Alegre nas intenções de voto

29.10.2010

Sondagem da Marktest para o Económico e TSF dá 71% de intenções de voto ao actual Presidente e 20% a Alegre, a 85 dias das eleições.

A 85 dias dos portugueses escolherem o próximo Presidente da República, Cavaco Silva parte com uma vantagem confortável, com mais de 50 pontos percentuais de diferença face ao seu principal adversário.

De acordo com o barómetro de Outubro da Marktest para o Diário Económico e TSF, o actual Presidente recolhe 71% das intenções de voto face aos 20% de Manuel Alegre. Fernando Nobre fica-se pelos 5%, Francisco Lopes (apoiado pelo PCP) por uns residuais 1%, o mesmo valor que é atribuído ao deputado socialista Defensor de Moura.

Com o trabalho de campo a ser realizado já depois do actual Chefe de Estado ter confirmado que era candidato mas ainda antes da apresentação formal da candidatura, o dado mais surpreendente deste estudo de opinião está na erosão de votos de Manuel Alegre entre o eleitorado socialista.

No mês de Setembro 49% dos votantes PS davam o sentido do seu voto ao poeta, em Outubro esse valor recuou para 38%. Num clima de austeridade e de enorme pressão sobre o Governo de José Sócrates, 54% dos votantes PS elegeriam Cavaco Silva se as eleições presidenciais fossem hoje. Entre o eleitorado PSD, o ex-líder do partido faz praticamente o pleno: 95% dos votos social-democratas, Alegre tem uns inexpressivos 2%.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sex Out 29, 2010 8:45 pm

Eleições presidenciais - Os tristes dias do nosso infortúnio

29.10.2010

Na terça-feira, 26 de Outubro, p.p., assistimos, estupefactos, a um espectáculo deprimente.

O dr. Cavaco consumiu vinte minutos, no Centro Cultural de Belém, a esclarecer os portugueses que não havia português como ele. Os portugueses, diminuídos com a presunção e esmagados pela soberba, escutaram a criatura de olhos arregalados. Elogio em boca própria é vitupério, mas o dr. Cavaco ignora essa verdade axiomática, como, aliás, ignora um número quase infindável de coisas.

O discurso, além de tolo, era um arrazoado de banalidades, redigido num idioma de eguariço. São conhecidas as amargas dificuldades que aquele senhor demonstra em expressar-se com exactidão. Mas, desta vez, o assunto atingiu as raias da nossa indignação. Segundo ele de si próprio diz, tem sido um estadista exemplar, repleto de êxitos políticos e de realizações ímpares. E acrescentou que, moralmente, é inatacável.

O passado dele não o recomenda. Infelizmente. Foi um dos piores primeiros-ministros, depois do 25 de Abril. Recebeu, de Bruxelas, oceanos de dinheiro e esbanjou-os nas futilidades de regime que, habitualmente, são para "encher o olho" e cuja utilidade é duvidosa. Preferiu o betão ao desenvolvimento harmonioso do nosso estrato educacional; desprezou a memória colectiva como projecto ideológico, nisso associando-se ao ideário da senhora Tatcher e do senhor Regan; incentivou, desbragadamente, o culto da juventude pela juventude, característica das doutrinas fascistas; crispou a sociedade portuguesa com uma cultura de espeque e atrabiliária e, não o esqueçamos nunca, recusou a pensão de sangue à viúva de Salgueiro Maia, um dos mais abnegados heróis de Abril, atribuindo outras a agentes da PIDE, "por serviços relevantes à pátria." A lista de anomalias é medonha.

Como Presidente é um homem indeciso, cheio de fragilidades e de ressentimentos, com a ausência de grandeza exigida pela função. O caso, sinistro, das "escutas a Belém" é um dos episódios mais vis da história da II República. Sobre o caso escrevi, no Negócios, o que tinha de escrever. Mas não esqueço o manobrismo nem a desvergonha, minimizados por uma Imprensa minada por simpatizantes de jornalismos e por estipendiados inquietantes. Em qualquer país do mundo, seriamente democrático, o dr. Cavaco teria sido corrido a sete pés.

O lastro de opróbrio, de fiasco e de humilhação que tem deixado atrás de si, chega para acreditar que as forças que o sustentam, a manipulação a que os cidadãos têm sido sujeitos, é da ordem da mancha histórica. E os panegíricos que lhe tecem são ultrajantes para aqueles que o antecederam em Belém e ferem a nossa elementar decência.

É este homem de poucas qualidades que, no Centro Cultural de Belém, teve o descoco de se apresentar como símbolo de virtudes e sinónimo de impolutabilidade. É este homem, que as circunstâncias determinadas pelas torções da História alisaram um caminho sem pedras e empurraram para um destino que não merece - é este homem sem jeito de estar com as mãos, de sorriso hediondo e de embaraços múltiplos, que quer, pela segunda vez, ser Presidente da nossa República. Triste República, nas mãos de gente que a não ama, que a não desenvolve, que a não resguarda e a não protege!

Estamos a assistir ao fim de muitas esperanças, de muitos sonhos acalentados, e à traição imposta a gerações de homens e de mulheres. É gente deste jaez e estilo que corrói os alicerces intelectuais, políticos e morais de uma democracia que, cada vez mais, existe, apenas, na superfície. O estado a que chegámos é, substancialmente, da responsabilidade deste cavalheiro e de outros como ele.

Como é possível que, estando o País de pantanas, o homem que se apresenta como candidato ao mais alto emprego do Estado, não tenha, nem agora nem antes, actuado com o poder de que dispõe? Como é possível? Há outros problemas que se põem: foi o dr. Cavaco que escreveu o discurso? Se foi, a sua conhecida mediocridade pode ser atenuante. Se não foi, há alguém, em Belém, que o quer tramar.

Um amigo meu, fundador de PSD, antigo companheiro de Sá Carneiro e leitor omnívoro de literatura de todos os géneros e projecções, que me dizia: "Como é que você quer que isto se endireite se o dr. Cavaco e a maioria dos políticos no activo diz 'competividade' em vez de 'competitividade' e julga que o Padre António Vieira é um pároco de qualquer igreja?"

Pessoalmente, não quero nada. Mas desejava, ardentemente desejava, ter um Presidente da República que, pelo menos, soubesse quantos cantos tem "Os Lusíadas."

(b.bastos@netcabo.pt)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sab Out 30, 2010 3:07 pm

Nao percebo o apoio do Bloco de Esquerda a Manuel Alegre - O BE deveria apoiar o candidato Antonio Nobre e deixar o PS afundar-se totalmente.

30.10.2010

O apoio do Bloco de Esquerda a Manuel Alegre é uma ingenuidade.

Manuel Alegre representa tudo o que há de negativo no PS e nas suas politicas.

Manuel Alegre até recebe pensão de reforma por ter sido "funcionário" da RDP, quando ali trabalhou poucos meses.

Nem interessa que tenha descontado, porque é censurável o acto de descontar de uma pessoa que sempre exerceu funções politicas.

Trata-se de uma manobra que pode ser legal mas não é ética.

Depois Manuel Alegre o que tem a ver com a linha politica do Bloco de Esquerda? Nada!

São só palavras e não acções. Manuel Alegre é uma carreirista do PS, que me merece toda a consideração como poeta, mas nada mais!

O Bloco de Esquerda deveria indicar um candidato próprio, ou então apoiar António Nobre, um médico de alto sentido social, de alto sentido ético, uma boa pessoa, um médico de bom coração e que politicamente tem mais valor que Manuel Alegre.

Publicada por josé maria martins
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Nov 02, 2010 11:56 pm

Alegre entende que “não cabe a um candidato à Presidência fazer apelos à greve”

02.11.2010

Manuel Alegre escusou-se hoje a comentar a greve geral convocada, para 24 de Novembro, pela CGTP e apoiada pela UGT. À saída do primeiro encontro do dia com as intersindicais, o candidato presidencial fez saber que “não cabe a um candidato fazer apelos à greve”.

Alegre diz ser importante haver um diálogo entre os políticos e as intersindicais.

“Não tenho que apoiar ou não apoiar. Eu sou um candidato à Presidência da República, que está nestas eleições com um sentido de responsabilidade. Não cabe a um candidato à Presidência da República estar a fazer ou não apelos à greve”, disse após o encontro com a direcção da CGTP.

Ainda assim, não desvalorizou o encontro. “O facto de eu estar aqui tem um significado, tal como o facto de ir estar com a UGT tem um significado. É um diálogo importante que se mantenha entre os responsáveis políticos e uma central sindical tão importante como é a CGTP”, afirmou.

(Público)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Nov 09, 2010 10:26 pm

Alegre confia em segunda volta com Cavaco

09.11.2010

O candidato presidencial Manuel Alegre fez ontem um apelo aos membros da sua Comissão Política para que promovam nas suas intervenções públicas a «centralidade» das eleições para Presidente da República para o futuro da esquerda portuguesa.

Na Comissão Política da candidatura de Manuel Alegre - o órgão de aconselhamento do candidato - têm lugar dirigentes do PS, do Bloco de Esquerda, da Renovação Comunista e independentes do Movimento de Intervenção e Cidadania (MIC).

De acordo com membros deste órgão contactados pela agência Lusa, da extensa série de intervenções feitas ao longo da reunião houve «consenso» entre as várias correntes da candidatura sobre a importância da esquerda voltar a eleger o Presidente da República e sobre a necessidade de se acentuar no discurso político as «diferenças» entre os perfis de Manuel Alegre e de Cavaco Silva.

Uma das intervenções mais aplaudidas na reunião partiu de Faria e Costa, destacado dirigente do MIC e professor da Faculdade de Direito de Coimbra, que identificou a candidatura de Manuel Alegre com a defesa da Constituição da República, particularmente dos valores do Estado social.

No final da reunião, Manuel Alegre deixou uma mensagem de confiança de que será possível forçar Cavaco Silva a uma segunda volta e depois derrotar o actual chefe de Estado.

Foi precisamente neste contexto que Alegre fez depois um apelo à mobilização e a uma intervenção mais incisiva no espaço público por parte dos membros da sua Comissão Política.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião, o candidato presidencial apoiado pelo PS e Bloco de Esquerda, limitou-se a destacar «a grande variedade e qualidade» dos elementos que fazem parte da sua Comissão Política.

«Fora desta candidatura, estas pessoas têm posições políticas muito diferentes. Mas aqui houve uma grande convergência quanto ao reconhecimento da importância desta candidatura e do apoio a esta candidatura», acrescentou.

Da parte do Secretariado Nacional do PS, estiveram na reunião o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, o ministro da Defesa, António Costa, e o líder da JS, Pedro Alves.

Em representação da direcção do Bloco de Esquerda estiveram o líder parlamentar, José Manuel Pureza, e as deputadas Mariana Aiveca e Helena Pinto.

Lusa/SOL
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Nov 16, 2010 4:15 pm

Nobre é o candidato com mais fãs no Facebook

16.11.2010

Fernando Nobre é o candidato presidencial com mais "amigos" no Facebook, mas foi a intervenção de Cavaco Silva sobre o "desprestígio da classe política" a mais mediatizada participação naquela rede social.

Com quase 26 mil pessoas que "gostam" da sua candidatura, Fernando Nobre, que foi o primeiro a assumir-se como candidato, está "à frente" no Facebook, a mais procurada rede social pelos candidatos presidenciais.

No Facebook, a página de Nobre, também presente no Youtube e twitter, exibe os comentários dos "amigos", os textos do candidato, fotografias e vídeos, e notícias sobre a candidatura.

Há ainda um espaço dedicado aos "núcleos" regionais e um outro às contribuições para a campanha, e é possível aceder ao "kit voluntário".

A candidatura presidencial de Cavaco Silva criou uma página no Facebook no dia em que foi lançada oficialmente, a 26 de Outubro, e desde então conta com cerca de 15 mil amigos, tem um canal oficial no Youtube e está igualmente presente no Twitter.

Foi através desta plataforma que Cavaco Silva deu nota da sua "muita apreensão" para com o "desprestígio da classe política e a impaciência com que os cidadãos assistem a alguns debates".

Os textos do próprio candidato são uma constante, assim como notícias e depoimentos em vídeo de "notáveis" e anónimos.

Manuel Alegre tem mais de cinco mil pessoas que, no Facebook, "gostam" da sua candidatura, desde que a 1 de Outubro iniciou as publicações na sua página naquela rede social.

O candidato apoiado pelo PS e pelo BE comunica através de vídeos das suas iniciativas, mas também com mensagens assinadas por si e textos e vídeos de apoiantes e mandatários.

Além de fotografias da campanha, Manuel Alegre mostra-se em família, em imagens com a mulher, os filhos e os netos, com personalidades como Natália Correia, Miguel Torga e Amália e recordando momentos como a sua chegada do exílio.

O deputado socialista e antigo autarca de Viana do Castelo Defensor de Moura tem quase 1500 "amigos" no Facebook, numa página onde se podem sobretudo ler textos do candidato e ter acesso a informação e fotografias sobre as iniciativas em que participa.

O vocalista dos Ena pá 2000 e dos Irmãos Catita Manuel João Vieira tem perfil no facebook, reunindo mais de sete mil amigos, apresentando-se como um "candidato recorrente à Presidência de Portugal", cujo processo de candidatura nunca foi aprovado.

A página do candidato apoiado pelo Partido Nacional Renovador (PNR), José Pinto Coelho, recolheu os "gostos" de mais de mil pessoas no Facebook, onde comunica sobretudo com textos, desde 10 de Junho.

Sob o lema "basta de pastéis, Coelho a Belém", a candidatura de José Manuel Coelho, o deputado regional madeirense do Partido da Nova Democracia (PND), juntou-se ao Facebook no dia 6 de Novembro e tem 165 "amigos".

O candidato apoiado pelo Partido Pró-Vida (PPV), Luís Botelho Ribeiro, não tem uma página oficial no Facebook da candidatura, comunicando através da sua página pessoal, que conta com 299 amigos, um dos quais Defensor de Moura.

O candidato apoiado pelo PCP, Francisco Lopes, dispõe de sítio na internet, mas ainda não está presente no Facebook, estando a ser preparada essa página, disse à Lusa fonte oficial da candidatura.

A Lusa procurou, sem sucesso, a página do candidato Menezes Alves no Facebook, assim como noutras redes sociais.

(Lusa)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qua Nov 17, 2010 10:36 pm

"Being Cavaco Silva". As ideias e os recalcamentos do candidato

17.11.2010

O site da nova candidatura presidencial de Cavaco Silva apresenta aos portugueses "as ideias" do candidato. São 49 temas, em forma de excertos das suas intervenções no primeiro mandato. Fora da agenda ficam alguns temas tabu.

Sobre a actualidade política nada. "Já existem palavras a mais na vida pública portuguesa e eu não vou acrescentar mais nenhuma", disse o Presidente da República na segunda-feira, justificando assim a indisponibilidade para comentar as declarações do ministro das Finanças sobre a possibilidade de Portugal pedir, ou não, ajuda externa para resolver os problemas financeiros. Na pele de Presidente, Cavaco fez a apologia da "contenção das palavras" como "bem mais precioso" no cargo que ocupa. Mas na pele de candidato a novo mandato não poupou nas palavras associadas às 49 ideias que apresentou no site de recandidatura. Uma resenha dos pensamentos que pontuaram as suas intervenções desde que assumiu o cargo. Mas uma resenha também ela contida: há assuntos tabu que não cabem no léxico de um Presidente que quer voltar a sê-lo.

O "dicionário" de ideias que Cavaco apresenta no site da candidatura abrange desde temas genéricos como "Agricultura" até conceitos mais específicos como "Governo minoritário", "Combate à corrupção" ou "Titulares de cargos públicos". Recordam-se os apelos ao diálogo, os pedidos de contenção nas querelas políticas, a crença num futuro mais risonho para o país ou as críticas ao problema de credibilidade na justiça. É, em suma, a visita guiada a um mandato que, como Cavaco Silva defendeu no discurso de candidatura, promoveu a "estabilidade" e pautou a sua actuação por "um registo de isenção e imparcialidade". Uma análise com que os opositores, naturalmente, não concordam a 100%. Porque o candidato da "verdade" tem no seu currículo algumas verdades mal explicadas que podem entrar na campanha. O i recorda alguns exemplos.

Escutas. O "caso das escutas" em Belém foi o ponto mais baixo do primeiro mandato presidencial de Cavaco Silva. As alegadas suspeitas de conspiração provenientes do governo fizeram manchete no "Público" a um mês das legislativas de 2009, mas viriam a ser desmascaradas no "DN", na semana antes das eleições, com a revelação da fonte de todo o caso: o assessor de Cavaco Silva, Fernando Lima, que viria a ser demitido, mas que continua em Belém. O assunto passou a ser tabu.

BPN. Os danos colaterais do "caso BPN" são outra nódoa no currículo do Presidente. Nomeadamente pelo envolvimento de duas figuras próximas da sua entourage política: Oliveira Costa, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais em dois governos de Cavaco Silva, e Dias Loureiro, antigo ministro de Cavaco e conselheiro de Estado em Belém. A indefinição em torno da saída de Dias Loureiro do cargo de conselheiro de Cavaco não ajudou. As suspeitas em torno das acções do BPN que Cavaco deteve também não.

Um activo anti-político. O mais político dos "não-políticos" de Portugal teve influência directa na agenda política nacional, mesmo quando não exercia qualquer cargo institucional: o artigo sobre a boa e a má moeda, publicado em 2004 no "Expresso", foi dos derradeiros impulsos para a descredibilização e posterior queda do então primeiro-ministro Santana Lopes. A relação conturbada com Santana, ex-secretário de Estado de Cavaco, prosseguiu meses depois: Cavaco, que então ainda alimentava o tabu sobre a candidatura presidencial, proibiu que a sua imagem fosse usada nos cartazes da candidatura de Santana a primeiro-ministro, contra Sócrates. Argumento: não prejudicar a sua "vida académica".

O casamento gay. Cavaco é frontalmente contra o casamento homossexual e não o escondeu. Mas promulgou o diploma aprovado na AR pela maioria de esquerda. No discurso que fez ao país a justificar a decisão, lamentou que em detrimento do "casamento", os partidos não tenham optado por reconhecer apenas às uniões homossexuais direitos iguais às das uniões entre pessoas de sexos diferentes. A promulgação, disse, foi motivada pela necessidade de não desviar atenções da "grave crise" do país. A direita mais conservadora não gostou.

O monstro. Em 2000, cinco anos depois de abandonar o cargo de primeiro-ministro, Cavaco Silva definiu a despesa do Estado português como "um monstro". O político que insiste na sua diferença em relação aos outros políticos dava aqui os primeiros sinais da sua capacidade para intervir na agenda política, garantindo ao mesmo tempo que não o fazia. Mas fê-lo, no caso associando a governação socialista de António Guterres ao crescimento do défice. Um problema apenas: a governação de Cavaco foi a segunda que mais alimentou o "monstro"; e a primeira foi de outro governo PSD, o de Durão Barroso.

O embargo furado. Em Novembro de 1994, já no final do segundo mandato de Cavaco Silva como primeiro-ministro, "O Independente" noticia que em pleno embargo à Indonésia as Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA), tinham reparado dois motores de helicópteros Puma da Força Aérea Indonésia em 1993. Ou seja, cerca de dois anos após o massacre de Santa Cruz, que vitimou 200 timorenses. O então ministro da Defesa, Fernando Nogueira, apontado como um dos sucessores naturais de Cavaco no PSD, garantiu desconhecer o negócio. O caso caiu no esquecimento.

(Jornal i)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Nov 30, 2010 10:58 pm

Alegre acusa Cavaco de ser "co-responsável pela crise"

30.11.2010

Manuel Alegre diz que Cavaco é "co-responsável pela crise e pela situação em que se encontra o nosso país".

Manuel Alegre afirmou hoje que o mandato de Cavaco Silva enquanto Presidente foi uma "experiência falhada".

Reagindo à apresentação do manifesto presidencial de Cavaco Silva, esta segunda-feira, Manuel Alegre criticou o facto do candidato apoiado pelo PSD e CDS-PP considerar "que Portugal precisa de um presidente com muita experiência".

"Ele falou muito da experiência, falando de si próprio, e de que Portugal precisa de um presidente com muita experiência, portanto precisa de um presidente como ele", relatou Manuel Alegre, salientando ainda do discurso de Cavaco Silva que terá feito "muitos avisos" ao governo durante o actual mandato.

"A experiência parece que não serviu para grande coisa e os avisos também não", apontou Manuel Alegre, criticando que Cavaco Silva não tenha "usado os poderes presidenciais que detém", o que interpreta como "uma experiência falhada".

"Embora o candidato Cavaco Silva queira lavar as mãos como Pilatos, ele é co-responsável pela crise e pela situação em que se encontra o nosso país", acusou.

Manuel Alegre acusou ainda Cavaco Silva de estar "a abrir caminho ao esvaziamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) como um serviço universal e tendencialmente gratuito".

"Ele disse que devia ser discutida a sustentabilidade do SNS sem preconceitos ideológicos e ao fazer esta afirmação, ele está a tomar partido, está a fazer uma afirmação ideológica e está a aderir à posição das forças políticas do centro-direita que o apoiam e que têm um projecto estratégico de destruição do Estado Social, nomeadamente do SNS", afirmou.

"Quando ele diz que sem preconceitos ideológicos se deve discutir a sustentabilidade do SNS e da Segurança Social está a abrir o caminho ao esvaziamento do SNS como um serviço universal e tendencialmente gratuito e está a abrir o caminho à privatização da segurança social", sublinhou.

O candidato apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda (BE), defende que isso é o que vai estar em causa no próximo dia 23 de Janeiro: "é essa escolha que os portugueses vão ter que fazer e essa é uma escolha política, sobre o modelo político do país, sobre o modelo de sociedade, sobre a forma e o conteúdo da nossa democracia".

Manuel Alegre deixou ainda a promessa de que, se for eleito, nos serviços públicos "ninguém toca".

"A minha posição é clara, comigo na presidência, ninguém toca no SNS, ninguém toca da Segurança Social pública, ninguém toca no conceito de justa causa e ninguém toca na escola pública", prometeu.

O candidato às eleições presidenciais de 23 de Janeiro apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda discursava hoje num almoço com apoiantes, após uma reunião com a Administração do Porto de Sines.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Seg Dez 06, 2010 10:17 pm

"Na caça ao voto, não hesita em lançar uns portugueses contra os outros, desde que isso lhe dê votos".

(Carlos César, o líder do PS/Açores referindo-se ao Presidente da República Cavaco Silva)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sab Dez 11, 2010 2:17 pm

O COMPARADOR DE PILAS

10.12.2010

Manuel Alegre não está bem: «Eu estou muito mais bem preparado que Cavaco Silva, porque conheço a história e sei há muito tempo, desde pequeno, quantos cantos tem Os Lusíadas.» Se calhar procurou ter graça, como se o dom do humor alguma vez o tivesse abençoado. Não abençoou. A audiência permaneceu impassível a aturá-lo. Nada mais que recair infantilmente no velho paleio comparador de pilas na esteira de Mário Soares que ficou célebre por ter, como se sabe, a maior pila da tolerância e o membro mais comprido em matéria de lições em democracia.

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qua Dez 15, 2010 7:06 pm

Eleições Presidenciais - Cavaco Silva terá de ser o eleito

15.12.2010

Os portugueses têm um leque muito limitado para as eleições presidenciais.
Pessoalmente gostaria que houvesse candidatos novos, pessoas de 50 e poucos anos. Como na Rússia, nos EUA, na China, em França, no Reino Unido, na Alemanha, sendo que em relação ao Reino Unido o que conta é o PM.
Porque os novos tempos têm de se fazer com novas pessoas. Os tempos mudaram e só novos políticos, jovens darão a volta a isto.
Mas os portugueses são confrontados com apenas duas candidaturas com possibilidade de êxito: Cavaco Silva e Manuel Alegre. Ambos já idosos.
Entre estes a escolha só pode ser Cavaco Silva.
Tenho muitas criticas a Cavaco Silva, mas Manuel Alegre não pode ser Presidente da República.
Manuel Alegre não tem passado - a questão da Rádio Argel é dramática ! - nem estatura política para na velhice aspirar a ser Presidente da República.
Com ele iria o PS manter-se no Poder e a miséria grassar, continuar a grassar.
Cavaco Silva, ao menos, cumpriu o serviço militar e mal não fará, podendo viabilizar novos horizontes governativos.
Parece claro que Manuel Alegre iria apenas manter o PS no Poder e ser uma força imobilista.
Penso que Manuel Alegre seria um muito má solução.
Como é que as centenas de milhares de combatentes na Guerra do Ultramar reagiriam?
Claro que gosto do Dr. Fernando Nobre, mas as coisas são como são e ele sem apoios partidários não ganhará, nem terá hiopótese de ir a uma evemtual segunda volta.
É boa pessoa, creio que não seria mau presidente, mas não há qualquer hipótese de vencimento.
Resta pois Cavaco Silva.

Publicada por josé maria martins
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Dez 21, 2010 10:29 pm

COM FERNANDO NOBRE, ROMPER

21.12.2010

Se a sociedade portuguesa fosse lúcida e normal, rechaçaria Alegre, rejeitaria Cavaco e elegeria Fernando Nobre numa votação massiva, à maneira timorense aquando do referendo pela independência: em desespero e sob o princípio da ruptura. Só ele, porque provém do mundo da beneficência e combate ao sofrimento, coloca o dedo na ferida nacional quando denuncia o sistema dos partidos como um sistema corrompido, fechado, traiçoeiro e ineficaz. Não basta ser moderadamente honesto e recto, como Cavaco ou vociferante-de-esquerda, oco-de-esquerda e pomposo-de-esquerda, como Alegre, alguém que não se senta com povo à mesa, não se mistura com gente comum e levanta sempre o nariz perante o cidadão comum como se o pivete viesse todo dali. Não chega. É absolutamente urgente não ser covarde e romper com o Polvo que nos sopeia. Essa coragem e essa liberdade estão em Fernando Nobre. Eu voto em Fernando Nobre.

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qui Dez 23, 2010 1:01 pm

Alegre : “Se o FMI entrar em Portugal, Cavaco é responsável"

23.12.2010

No debate entre Manuel Alegre e Fernando Nobre, o candidato apoiado pelo PS assumiu a sua “‘quota-parte’ de responsabilidade pela actual situação do País”.

"Sou culpado, com muito orgulho, de ter contribuído para a implantação da democracia, e de ter escrito a nossa Constituição", disse Manuel Alegre em resposta às acusações de Fernando Nobre de que o poeta e escritor também conduziu o País para a actual situação económica. "Eu estou aqui pelo futuro, porque ninguém é proprietário da cidadania e do futuro", acrescentou o candidato apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda.

"Tenho, como qualquer cidadão, a minha quota-parte de responsabilidade na actual situação do País. Aliás, mais do que um simples cidadão. Mas o Sr. Fernando Nobre entrou no sistema. Não está aqui para derrubar o sistema", alertou Alegre, em resposta à promessas de Fernando Nobre de "derrubar os muros" criados pelo actual sistema político.

"Não há maior falência da nossa Democracia do que a fome instalada entre nós, a pobreza, os 300 mil jovens que não estudam nem trabalham ou os 300 mil idosos com reformas inferiores a 300 euros", acusou Nobre. "E isso são muros que pretendo derrubar" no caso de vencer as eleições de 23 de Janeiro, disse o presidente AMI, que na mesma altura referiu que "passados 36 anos do 25 de Abril, estamos perante uma ruptura. Estamos num beco, num plano inclinado que leva o nosso País direitinho para a insustentabilidade".

Num debate marcado por referências continuadas aos respectivos percursos de vida, Manuel Alegre deixou um aviso ao seu opositor, que o acusou de ter um percurso incoerente e de se "passear nos corredores do poder", enquanto em Portugal há problemas sociais que precisam de ser resolvidos.

"Quando há uma crise como esta, e quando houve erros, sem dúvida nenhuma, é preciso falar dessas coisas com cuidado. Todos nós temos feito afirmações sobre a pobreza. Há 18% de portugueses no limiar da pobreza, e desses, 40% são trabalhadores", notou Alegre. A solução "faz-se com a democracia, e dentro da democracia. E é muito perigoso, numa altura em que as pessoas estão muito descontentes com a política um candidato a Presidente da República ter um discurso anti-política", acusou.

Manuel Alegre rejeitou ainda a acusação de que se não tivesse oposto ao Orçamento do Estado para 2011, afirmando que "eu disse que Portugal precisava de outro Orçamento, de políticas de crescimento; referi a tragédia de haver pessoas com pensões congeladas", mas, sublinhou, "se não houvesse um Orçamento do Estado, seria muito complicado para o País. Um estado sem Orçamento ficava muito perto do colapso".

Uma opinião partilhada por Fernando Nobre naquele que foi, porventura, o único momento de consenso durante todo o debate entre os dois candidatos. Nobre referiu que "evidentemente que sim", que era preciso um Orçamento, "mas precisaríamos de um outro", disse, pedindo que "não esqueçamos que o OE 2010 só começou a funcionar em Maio, e que até aí o País funcionou em duodécimos e daí não veio tragédia".

"Se não tivermos um Estado sustentável estamos a hipotecar o futuro de toda uma geração. Temos que defender sempre os mais débeis e os mais fracos, mas temos que saber que a minha geração vai deixar para a geração dos jovens um futuro muito negro", acusou Fernando Nobre.

Ainda durante o debate, transmitido pela TVI, Manuel Alegre acusou Cavaco Silva de ser imprudente, ao referir, ontem, durante o frente-a-frente com Francisco Lopes, que se o FMI entrar em Portugal é sinal de que o "Governo falhou", e imputou-lhe as responsabilidades da actual crise. "Se o FMI entrar em Portugal, ele [Cavaco] é responsável", afirmou.

Fernando Nobre escusou-se a comentar as declarações do ainda presidente da República, e dirigiu-se aos portugueses, nos minutos finais, dizendo que por não ser apoiado por nenhum partido "serei um árbitro completamente isento. Estou aqui para mudar, para que os homens ainda ousem sonhar". E deixou o desfio: "Não se acomodem, não desistam, não tenham medo. Ousem mudar".

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sex Dez 24, 2010 11:28 am

Cavaco : "Para serem mais honestos do que eu têm que nascer duas vezes"

23.12.2010

Defensor Moura e Cavaco Silva protagonizaram um dos mais acesos debates desde o início da campanha.

No último frente-a-frente antes do Natal, Cavaco Silva e Defensor Moura trocaram acusações mútuas, e foi em ambiente de elevada animosidade que protagonizaram um dos mais 'ferozes' debates da corrida a Belém.

Defensor Moura referiu o primeiro mandato de Cavaco como uma das principais razões para se candidatar e acusou o Presidente da República de falta de isenção política.

"O exercício do primeiro mandato é q me faz interrogar o candidato sobre alguns pcedimentos sobre os quais discordo. Porque acho importante denunciar certos procedimentos, nomeadamente, quando no seu manifesto eleitoral fala da isenção como uma qualidade muito importante. E eu acho que essa qualidade o candidato não tem".

Uma crítica que Cavaco Silva rejeitou dizendo que sempre foi "um Presidente da República isento e imparcial em relação a todas as forças politicas" e, questionado sobre as fracturas que pode ter provocado quando aprovou a Lei que permite o casamento de pessoas do mesmo sexo, Cavaco sublinhou que "O Presidente da República deve ser um juíz nessas circunstâncias" e que "sou presidente de todos os portugueses em todas as situações", não sou "um presidente de uma facção ou outra".

Na mesma altura, o ex-presidente de Viana do Castelo acusou ainda Cavaco Silva de beneficiar das acções do BPN, uma acusação que o Presidente da República rejeitou, afirmando que "o que fiz em relação ao BPN foi a aprovação do decreto de nacionalização depois de o Governo e Banco de Portugal me terem garantido, por escrito, que não havia alternativa à estabilização do sistema financeiro português". Em relação ao facto de conhecer administradores do BPN, Cavaco notou que "as pessoas que estão no BPN estiveram comigo no Governo há 20 anos". E questionou: "O que é q eu tenho a ver com a vida profissional de pessoas com quem estive há 20 anos?".

Recusando-se a falar mais do assunto, o candidato social-democrata remeteu as dúvidas de Defensor Moura para o Tribunal Constitucional onde "o senhor pode ir consultar tudo, e pode ir as Finanças visto que esta lá tudo o que comprei e vendi".

Cavaco silva disse-se ainda alvo de uma "campanha desonesta", e garantiu que algumas das pessoas que estão por trás dessa camapanha, "para serem mais honestos do que eu, têm que nascer duas vezes".

Defensor Moura acusou ainda Cavaco Silva de não ter cumprido as suas obrigações enquanto primeiro-ministro e desafiou o país à mudança. "O centralismo da administração portuguesa faliu. A nossa administração fiscalista asfixia. Este é o momento fundamental: é na crise que é fundamental fazer as mudanças", referiu o médico cirurgião, que fez questão de sublinhar, durante o encontro, que a sua candidatura era contra a candidatura de Cavaco.

No final, o ex-autarca salientou que "os conhecimentos e a experiência do candidato cavaco Silva não foram suficientes para resolver os problemas nos 5 anos anteriores. Candidato-me porque entendo que Cavaco Silva não é leal nem isento, e porque me parece que não tem cultura politica e não conhece a História de Portugal".

Já no seu último minuto de debate, Cavaco Silva voltou a falar aos portugueses referindo que não podia deixar de colocar os meus conhecimentos e eexperiência ao serviço dos portugueses. Tenho uma ideia para Portugal. Os homens, mulheres e jovens são capazes de levar o Pais para a frente", garantiu o ainda presidente.

O próximo debate da campanha presidencial acontece já na próxima segunda-feira, dia 27, entre Defensor Moura e Fernando Nobre.

Daqui a precisamente um mês, a 23 de Janeiro de 2011, os portugueses vão às urnas para decidir quem vai ser o próximo ocupante do Palácio de Belém.

(Expresso)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Seg Dez 27, 2010 8:36 pm

Cavaco será o primeiro nos boletins de voto

27.12.2010

Aníbal Cavaco Silva será o primeiro nome a aparecer nos boletins de voto das eleições presidenciais, que contarão com nove candidatos, de acordo com sorteio do Tribunal Constitucional. Fernando Nobre aparecerá em último lugar.
O sorteio é feito pelo Tribunal Constitucional (Foto: Enric Vives-Rubio)

O sorteio realizado esta manhã no Tribunal Constitucional (TC) pelo juiz presidente Rui Moura Ramos, ditou que o socialista de Viana do Castelo Defensor Moura será o segundo, seguido de Diamantino Maurício da Silva, do candidato apoiado pelo PCP Francisco Lopes (quarto), e do deputado do PND madeirense José Manuel Coelho (quinto).

Josué Rodrigues Pedro será o sexto nome, Manuel Alegre (apoiado pelo PS e Bloco de Esquerda) o sétimo, Luís Botelho Ribeiro e finalmente Fernando Nobre.

Os representantes das candidaturas presentes não prestaram declarações sobre a ordenação nos boletins de voto.

A lista dos nove candidatos que entregaram o processo no TC fora divulgada na passada quinta-feira. Os nomes surpresa acabaram por ser os de dois repetentes de 2006 - Diamantino Maurício da Silva e Josué Rodrigues Pedro -, mas que também nessa altura acabaram por não chegar às urnas por terem sido consideradas não válidas pelo Tribunal Constitucional.

O presidente do TC afirmou que aquela entidade vai agora apreciar os processos de candidatura até quarta-feira, dia 29.

(Público)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Seg Dez 27, 2010 8:45 pm

SUINIDADE SOCIALISTA

27.12.2010

1. Porcalhentamente, os socialistas querem sangue nestas presidenciais. E é logo a fedente Edite a exigi-lo. Estaria tudo bem, desde que dessem o exemplo e sangrassem eles também. Mas não. Óbice supremo às medidas anticorrupção, flácidos comtemporizadores do sr. merdas-mil, Primadonna, a vaidade mais devastadora em detrimento do País, os socialistas querem que Cavaco dê explicações sobre o modo como negociou acções da SLN. Não estou contra. Desde que o cerne corrupto, incompetente, maligno e malévolo, chamado socratismo, faça exactamente o mesmo, que não fez, nunca, quanto à extensa lista de lixos que a PGR tem inumado de modo sorna e sistemático.
2. Nobre, o meu candidato, bem poderá denunciar isto mesmo, essa porca e cínica dualidade socialista, se for o homem que tem sido, o único com um discurso anti-Sistema, o único que nos espelha a todos, enteados menores da partidocracia e suas prostituições e traições ao bem comum. Aguardarei por isso. Espero que não tenha de esperar sentado.

Publicada por joshua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Ter Jan 04, 2011 10:44 pm

Alegre : "Cavaco tem de mostrar contrato das acções da SLN"

04.01.2011

O caso BPN promete marcar as Presidenciais de 23 de Janeiro.

Manuel Alegre exige que Cavaco Silva explique a mais-valia com acções da sociedade que detinha o BPN.

"O Presidente tem de mostrar o contrato de venda daquelas acções [da SLN]" que "apesar de não estarem cotadas em bolsa permitiram uma mais-valia de 145%". A frase de Manuel Alegre, de visita à ilha da Madeira, demonstra bem como o candidato apoiado pelo PS e Bloco de Esquerda não pretende deixar cair o caso BPN.

Para Alegre é preciso também discutir "a outra questão" [para além do processo de nacionalização] porque "pode ser que não haja nada" mas "se houver existe um caso político".

O caso BPN foi trazido para a campanha presidencial por Defensor Moura que, no debate televisivo frente a Cavaco Silva, confrontou o actual Presidente da República com o tema.

Já depois disso, no debate frente a Manuel Alegre, Cavaco lançou críticas à actual administração do BPN, o que desencadeou críticas do Governo e uma resposta tanto de Francisco Bandeira, responsável pela gestão do banco nacionalizado, como da própria Caixa Geral de Depósitos.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qua Jan 05, 2011 10:05 pm

Candidatura de Cavaco acusa Alegre de "ataques cobardes"

05.01.2010

Alexandre Relvas respondeu hoje em nome da candidatura de Cavaco Silva sobre as últimas declarações em torno do BPN.

Numa declaração sem direito a perguntas, Relvas começou por afirmar que "a baixa política entrou na campanha eleitoral" e que "depois de ter perdido o debate [televisivo], o candidato Manuel Alegre resolveu, em desespero de causa, lançar suspeições infundadas" sobre as acções que o actual Presidente da República detinha, em 1999, da SLN, sociedade que controlava o BPN antes da nacionalização.

A declaração de Relvas foi, aliás, centrada em Manuel Alegre, a quem acusou de fazer "ataques cobardes à honra inaceitáveis" e de participar numa "campanha suja" sabendo "que está a ser desonesto".

Sobre o dito investimento no BPN, Relvas disse que o actual Presidente da República "já esclareceu publicamente tudo o que havia a esclarecer acerca das referidas aplicações", que Cavaco "declarou todo o seu rendimento e património ao Tribunal Constitucional" numa "declaração que é pública", pelo que a sua campanha "repudia acusações sem fundamento que procuram atingir a sua honorabilidade".

O essencial sobre este caso, continuou Relvas, é "que se apurem todas as responsabilidades e que a justiça seja célere e eficaz sobre tudo o que se passou antes da nacionalização", e que "se explique aos portugueses" as injecções de liquidez feitas no BPN desde a sua integração no Estado, no final de 2008.

A candidatura de Cavaco Silva responde assim aos contínuos pedidos de esclarecimento da parte dos outros candidatos presidenciais sobre as ditas acções da SLN que Cavaco vendeu com uma mais valia de 140%. Alegre exigiu mesmo esta semana que o actual Presidente da República mostre o contrato desses títulos.

As Presidenciais estão marcadas para 23 de Janeiro e até lá o assunto promete não sair da agenda política, até porque estão já agendadas audições parlamentares com Teixeira dos Santos, Faria de Oliveira, Carlos Costa e Francisco Bandeira.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qui Jan 06, 2011 1:09 am

"Ataque pessoal" de Cavaco Silva é "manobra de diversão"

05.01.2011

"A acusação de ataque pessoal feito a Manuel Alegre num tom ofensivo é uma manobra de diversão", disse há momentos Duarte Cordeiro, director nacional da campanha presidencial de Manuel Alegre.

"Estranhamos e lamentamos a vitimização por parte de Cavaco Silva", declarou o responsável, frisando que "foi Cavaco Silva e não Manuel Alegre que colocou o tema do BPN na agenda" e que "a candidatura de Manuel Alegre continua a entender que é do interesse público Cavaco Silva esclarecer a quem vendeu as acções da SLN".

Isto porque, afirmou, a declaração de rendimentos do Presidente "não responde às dúvidas", apesar do que tem defendido a campanha do actual Presidente.

Duarte Cordeiro respondia à declaração que o director de campanha de Cavaco Silva tinha feito duas horas antes. Nessa altura, Alexandre Relvas disse que "a baixa política entrou na campanha eleitoral" e que "depois de ter perdido o debate [televisivo], o candidato Manuel Alegre resolveu, em desespero de causa, lançar suspeições infundadas" sobre as acções que o actual Presidente da República detinha, em 1999, da SLN, que controlava o BPN antes da nacionalização.

Relvas acusou ainda Manuel Alegre de fazer "ataques cobardes à honra inaceitáveis" e de participar numa "campanha suja" contra Cavaco Silva, sabendo "que está a ser desonesto".

Na resposta o director de campanha de Manuel Alegre diz que Cavaco Silva perdeu "mais uma oportunidade de esclarecer os portugueses".

O tema deve continuar a marcar a agenda durante a próxima semana. O presidente do Conselho de Administração do BPN desloca-se ao Parlamento na segunda-feira, da parte da tarde, no âmbito do caso BPN, um dia antes de Teixeira dos Santos.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e o presidente da CGD, Fernando Faria de Oliveira, também vão ao Parlamento prestar esclarecimentos, mas ainda não há datas definidas.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Qui Jan 06, 2011 9:10 pm

Louçã diz que Cavaco ganhou 147 mil euros num negócio de "favor".

06.01.2011

Francisco Louçã exigiu, no Parlamento, que Cavaco Silva divulgue o contrato com a SLN para que se saiba "em que condições vendeu e a quem vendeu" a sua parte da ex-dona do BPN.

Francisco Louçã afirmou hoje, quinta-feira, que as despesas com a nacionalização do BPN "vão provocar mais de três mil milhões de prejuízos" aos cofres públicos, agravando o défice de 2011 de 4,6% 6,6%.

O Governo entregou ao Parlamento "o esquema de absorção destas dívidas monumentais com a criação de três empresas, a Parvalorem, a Parparticipações e a Parups que vão integrar 3,1 mil milhões de dívida", revelou no Parlamento, no debate sobre dois diplomas do Bloco de Esquerda (BE) relativos à nacionalização do BPN.

O deputado do BE diz que estas empresas vão "tentar vender algumas propriedades imobiliárias e empresas financeiras" e que "o resto é lixo tóxico que o generoso contribuinte pagará".

Cavaco deve divulgar a quem vendeu a sua parte da SLN

O deputado do BE exigiu ainda que Cavaco Silva divulgue o contrato com a SLN para que se saiba "em que condições vendeu e a quem vendeu" a sua parte da ex-dona do BPN.

"Se o candidato Cavaco Silva afirma que `quem não deve não teme" e aceita `o mais elementar dever de decência democrática", então deve divulgar o seu contrato, para que se saiba em que condições vendeu e a quem vendeu a sua parte da SLN", afirmou Francisco Louçã, citando partes da declaração feita quarta-feira pela candidatura presidencial de Cavaco Silva.

Assim, acrescentou, fica a saber-se "se quem comprou as acções foi a SLN-Valor, de que vários responsáveis, como o seu presidente, Alberto Figueiredo, são hoje membros da comissão de honra de Cavaco Silva". Para Louçã, será "uma questão de decência" porque "os portugueses merecem a verdade".

O dirigente do BE, partido que apoia a candidatura de Manuel Alegre à Presidência da República, frisou que foi o actual Presidente e candidato presidencial quem "escolheu fazer sobre este assunto sucessivas declarações escorregadiamente imprecisas, que têm feito crescer a exigência de clareza".

Louçã fez distribuir aos deputados uma cópia de um "contrato do mesmo tipo mas mais recente, em que a SLN garante a outra pessoa a recompra de acções, mas só lhes atribui 5% de valorização". "Não paga 140% como pagou a Cavaco Silva", frisou.

Para tanto, acrescentou, "comprou 105.379 ações em 2001, a um euro. E vendeu-as em Novembro de 2003, ganhando 147 mil euros".

Este negócio, classificou Louçã, "foi um favor". Mas "um responsável político, não faz nem recebe favores", defendeu, considerando que "o peso político" dos gestores do BPN - Dias Loureiro, Daniel Sanches, Arlindo de Carvalho, Oliveira e Costa e Miguel Cadilhe - "garantiu-lhes a impunidade".

O projeto de lei do BE, disse, visa "determinar que os accionistas sejam chamados, na dimensão da sua responsabilidade legal e na medida em que tenham contribuído para a fraude, a colmatar a situação líquida negativa do banco que tenham arrastado para a falência".

(Jornal de Notícias)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sab Jan 08, 2011 3:26 pm

'Andam a arranjar tachos até para as amantes'

08.01.2011

As críticas a Alberto João Jardim e aos políticos profissionais - «que andam a arranjar tachos para a família e até para as amantes» - marcaram a entrevista do 'subversivo' madeirense José Manuel Coelho. Mas a maior parte do tempo foi passado a prestar explicações sobre as razões da sua candidatura presidencial e sobre a sua pessoa.

Desta vez a entrevista começou ao contrário, com uma pergunta do candidato a Judite de Sousa. «Porque é que a RTP nacional marginalizou a minha candidatura quando marcou estes debates?». Apanhada de surpresa, a Directora Adjunta de Informação da RTP começou por responder que essa era uma questão para «o Conselho de Administração» da estação. Mas Coelho insistia e a jornalista replicava: «Não estou cá para dar explicações sobre coisa nenhuma de um assunto que me transcende». E nisto se passaram os primeiros cinco minutos.

Ultrapassada esta barreira, a conversa prosseguiu acabando por ter sido a mais longa de todas até ao momento. Primeiro passou pelo porquê da candidatura - «Para servir o meu país, enquanto a maioria dos políticos é para se servir a si próprio», justificou o deputado e também jornalista José Manuel Coelho. «E então o seu slogan é 'Coelho ao poleiro'?» questionou a entrevistadora. «É um slogan satírico» explicou o candidato, que diz ter «o lema de Jesus: servir e não ser servido».

E quando a entrevista voltou ao mesmo tema, continuou a explicar: «Lembra-se do General Giap, que fez a guerra da Indochina? Olhe, eu combato como o General Giap, faço guerra subversiva, de guerrilha, e guerra convencional. A sátira na Madeira é a subversiva, aqui é a convencional com a candidatura à presidência».

Mas estar no continente não o fez deixar de lado a subversão, como aconteceu quando justificou a sua candidatura «em nome do povo contra os políticos profissionais que andam a arranjar tachos para a família, para os amigos, para os que têm cartão do partido e até para as amantes».

Na Madeira, a sátira é feita no Parlamento Regional, onde Coelho é deputado pelo PND e onde já protagonizou cenas - como a da bandeira nazi ou do relógio de parede ao peito - que tiveram eco nos jornais do continente. Mas muita da ironia subversiva contra o «jardinismo» passa pelo jornal O Garajau, onde começou como ardina, agora dirige e é uma das maiores dores de cabeça políticas do líder do Governo Regional da Madeira.

Alás, como seria de esperar, o «tiranete Alberto João Jardim e os corruptos todos que andam à volta dele» foi ponto forte da conversa. «Tem um ódio de estimação contra Jardim?» perguntou várias vezes Judite de Sousa. «Não tenho aversão à pessoa, combato as ideias» alegava o candidato.

Antigo militante do PCP, José Manuel Coelho afastou-se do partido porque é «um comunista que evoluiu, não cristalizou». Saiu porque considera que o «projecto comunista falhou», o que não o impede de afirmar que continua a «ser um socialista, mas não de uma forma estalinista». E é «sério» passar do PCP para um partido de direita?

«O PND na Madeira não é de direita» assegurou o deputado regional, explicando que é diferente do partido no Continente. Estava vazio, «uma colmeia sem abelhas e nós fomos as abelhas» esclareceu. Diz Coelho que o PND não passou de uma «barriga de aluguer» para o projecto e com a condição, garante, «de não haver ali coisas de direita».

A actualidade acabou por chegar com o caso BPN, em que «Cavaco sai chamuscado e tem um aliado no engenheiro Sócrates, que já gastou 5 mil milhões de euros enquanto vai às crianças e corta o abono, congela os salários dos funcionários públicos e baixa os apoios sociais dos idosos».

A próxima e última entrevista aos candidatos presidenciais será a Aníbal Cavaco Silva. Inicialmente estava prevista para hoje, mas terá lugar na próxima segunda-feira.

teresa.oliveira@sol.pt
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sab Jan 08, 2011 6:11 pm

O cheque de Manuel Alegre ou a falta de sentido do ridiculo.

06.01.2011

Manuel Alegre hoje meteu os pés pelas mãos, a ponto de pessoas que estavam a ouvir terem dito: ele está senil!
Não sei se está senil, mas esquecido está. E trapalhão.
Recebeu 1500 euros (300 contos) por ter escrito duas páginas, destinadas à publicidade, parece muito claro, o que era ilegal.
E não devolveu o dinheiro, nem o deu aos pobres, como outros que publicitaram o BPP.
Bem pode ele agora dizer que foram direitos de autor!
Então não sabia que quem lhos pagava pagava por alguma coisa? Para algum fim era ?
Qual era?
Trapalhada que mostra bem que Manuel Alegre recebeu dinheiro, parece não o ter devolvido. E não foi por cheque , mas depósito na conta dele.
Ora, anda este cidadão Manuel Alegre a dizer que Cavaco Silva tem de esclarecer e mais não se sabe quantas asneiras.
De matérias da competência do Presidente da República nada diz. Ou de novas aporias, novas metas do sistema político português.
Por exemplo falar de a alteração do sistema político de semi-presidencial para Presidencial; Alteração da lei eleitoral para circulos uninominais; Alteração da composição do Conselho de Estado, do CSMagistratura, do CSMPúblico; incentivar mudanças da política face à União Europeia para defender os nossos interesses; alteração das prerrogativas que uma quantidade enorme de gente tem para depor por escrito, prejudicando a Justiça; alteração das políticas energéticas, defesa do regular funcionamento das instituições. Dissolução da AR, responsabilização dos políticos por actos de gestão danosa.
Claro que o PR não tem competências para alterar isto, mas podia na campanha eleitoral propô-las, de forma a que durante o mandato fosse enviando mensagens à AR, exigindo participar em Conselhos de Ministros, para ter uma parte activa na resolução dos grandes problemas nacionais, influenciando os partidos para as mudanças, quando está aberto até o período de revisão constitucional.
Mas não. Até porque Manuel Alegre parece que nem uma junta de freguesia governou e por isso nada perceberá de direito constitucional, sendo que nunca completou qualquer curso universitário.
Manuel Alegre perde tempo, retira dignidade à campanha, apoiado numa histeria inadmissível em volta de assuntos sem dignidade nenhuma.
Cavaco Silva comprou acções e depois deu ordem de venda.
Em 2003, quando não era PM nem PR.
Que interessa isso para os portugueses agora?
Os portugueses gostavam era de saber se Manuel Alegre está afectado na sua memória, se a sua próstata está bem - para evitar prejuízos para a função presidencial - que apoios tem. Quem paga a campanha dele.
E depois fica mal a Manuel Alegre falar no Estado Social, quando o partido dele, o PS, é que o tem destruído, como nem Salazar se atraveria.
Com o voto de Manuel Alegre na AR.

Uma vergonha!

Publicada por josé maria martins
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Sab Jan 08, 2011 6:15 pm

Manuel Alegre está de "samicas de caganeira", como diria Gil Vicente

08.01.2011

Estou a ver Manuel Alegre todo ouriçado a dizer que Cavaco Silva tinha de esclarecer, e responder à sua invectiva, sobre o BPN.
Bastou um dia para Manuel Alegre mostrar outra face:
1 - Faz publicidade enquanto deputado na AR , o que é proibido;
2 - Recebe 1500 euros;
3 - Não os devolve;
4 - Não conhece a conta bancária dele.

Uma trapalhada com mentiras à mistura, como agora se vê : Por exemplo aqui: http://www.ionline.pt/adjuntos/102/journal/000/245/0000245287.pdf
Depois deste episódio Manuel Alegre fugiu das camaras de televisão e disse estar com gastroenterite.
Gil Vicente, nao Auto da Barca do Inferno chamou a essa "doença" "samicas de caganeira, de cagamerdeira".
Para as mentes mais atentas Manuel Alegre refugiou-se para tentar retomar fôlego, face à vergonha em que se viu metido. A "gastroenterite" é uma desculpa esfarrapada.
Foi boa esta questão porque se viu mais uma vez as negociatas, os esqueminhas que os políticos usam para meter o vil metal no bolso, e a facilidade que têm em faltar à verdade.
E quer este individuo ser Presidente da República! Se nem a conta bancária dele controla! Nem a conhece; Nem sabe os deveres dos deputados e as proibições!

ADENDA:
Não tenho sequer dúvidas que Manuel Alegre está KO. Derrotado.
O PS deixou-o afundar-se.´
O PS sabe que Cavaco Silva será reeleito.
Manuel Alegre deitou-se nos braços do Bloco de Esquerda.
Pelo que deixaram-no meter-se na guerra do BPN para ser cilindrado com a questão do BPP.

Publicada por josé maria martins
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...    Hoje à(s) 6:54 am

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
ELEIÇÕES PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA...
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 2 de 3Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte
 Tópicos similares
-
» Os 10 países que tratam as mulheres como lixo
» Vigília: Doutrina Bíblica ou Invenção?
» Sites de produtos para cabelo em Geral
» Filtro Solar para Cabelo
» Escova Denman e similares para definir cachos

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
A LIBERDADE É AMORAL :: POLÍTICA-
Ir para: