A LIBERDADE É AMORAL

Local de discussão livre sobre todos os temas sociais.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  

Compartilhe | 
 

 O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Dom Jul 26, 2009 3:24 pm

Este filme já me está a preocupar...

Tudo começou com vírus influenza da famosa pandemia espanhola que em 1918 e 1919 matou 50 milhões de pessoas em todo o mundo...

O famoso virus das aves era o H5N1...

Os Laboratórios usaram a desculpa que iam "reconstruir" o vírus para estudá-lo de modo a criar uma vacina de cura para o H5N1...

Agora aparece este H1N1...

Pura coincidência, conspiração mundial ou quebra na segurança?...

Espero que este tópico não acabe mal...


Última edição por Anarca em Sab Dez 11, 2010 2:20 pm, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Dom Jul 26, 2009 4:22 pm

Pesquisadores americanos descobrem por que o vírus da gripe espanhola matou tanta gente

Os pesquisadores Hultin e Taubenberger visitam o cemitério no Alasca onde encontraram amostras do H1N1 nos pulmões de uma mulher morta pela gripe espanhola

Pesquisadores americanos deram um grande passo na elucidação de um dos maiores enigmas da medicina do século XX – o que fez do influenza H1N1 um vírus tão letal, responsável pela pior pandemia da história, a gripe espanhola. Entre setembro de 1918 e abril de 1919, 50 milhões de pessoas morreram em todo o mundo, o equivalente a quase 4% da população mundial de então. Só no Rio de Janeiro a gripe fez 15.000 vítimas fatais em apenas um mês, entre elas o presidente Rodrigues Alves. "Com o tempo, formou-se a convicção de que o vírus matou tanta gente porque encontrou uma população abatida pela I Guerra Mundial, desnutrida, sem hospitais ou medicamentos adequados", diz o virologista Edison Durigon, professor da Universidade de São Paulo. Esse cenário facilitou, é obvio, a disseminação da doença. Mas o que se descobriu agora é que o H1N1, não importam as circunstâncias, tem mesmo um alto poder de destruição. Isso porque a resposta imunológica deflagrada pelo vírus é tão severa que o próprio organismo passa a atacar e destruir todas as suas células. O mistério de tanta agressividade, no entanto, ainda não foi totalmente desvendado. Falta entender quais os mecanismos bioquímicos envolvidos nesse processo.

No experimento levado a cabo pelos americanos, ratos de laboratório morreram apenas seis dias depois de infectados pelo vírus. Foi constatado que nos pulmões dos animais havia uma quantidade de vírus dez vezes maior que a encontrada nos dos camundongos contaminados com as versões mais comuns do influenza. Esse fato explica por que os doentes de 1918 morriam com os pulmões congestionados e enrijecidos. Sem oxigenação, ficavam tão arroxeados que era difícil distinguir o cadáver de um branco do de um negro. "A morte chega em poucas horas. Os doentes morrem sufocados. É horrível ver esses pobres-diabos sendo abatidos como moscas", lê-se num relato médico escrito na ocasião.

Ao longo de cinqüenta anos, estudiosos de diversos centros de pesquisa peregrinaram pelas regiões mais geladas do planeta em busca de exemplares preservados do vírus da gripe espanhola. A primeira peça desse quebra-cabeça foi encontrada no vilarejo de Brevig Mission, no Alasca, onde, em cinco dias, 72 dos seus oitenta moradores sucumbiram ao H1N1. Em 1997, no cemitério local, os americanos Johan Hultin e Jeffrey Taubenberger encontraram fragmentos do vírus no cadáver exumado de uma senhora bastante gorda. A especificação aqui do biotipo da mulher é importante porque explica as boas condições em que as partículas do H1N1 foram encontradas – o acúmulo de tecido adiposo ajudou a preservá-las da ação do tempo. De posse das amostras do H1N1, os pesquisadores deram início à reconstrução do vírus. Graças aos avanços no campo da biologia molecular e ao desenvolvimento de seqüenciamento genético, foi possível reativar o H1N1. Hoje, essa amostra está guardada num laboratório do Instituto de Patologia das Forças Armadas, em Washington, nos Estados Unidos. Foi ela que serviu de base para o experimento com os ratos.

As últimas pesquisas com o H1N1 causaram alvoroço. Alguns especialistas aplaudem o feito. Outros, porém, mostram-se reticentes. O temor é o de que, ao desenterrar o vírus dos confins gelados do Alasca e usá-lo em experiências, a ciência tenha criado uma poderosa arma biológica. Além disso, o genoma do H1N1 está arquivado no GenBank, dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, uma espécie de biblioteca com informações detalhadas sobre o seqüenciamento genético das mais variadas estruturas. Ou seja, qualquer pessoa pode ter acesso às informações necessárias para a construção do H1N1. O outro receio é que deixem o vírus escapar do laboratório onde é estudado.

O risco de um acidente desse tipo vir a ocorrer é pequeno. Há duas décadas, os laboratórios onde são manuseados vírus e bactérias passaram a ter de contar com uma série de itens de segurança. Naqueles de níveis mais simples, o 1 e o 2, faz-se a análise de agentes infecciosos de baixa virulência e sobre os quais a medicina tem controle, como a Salmonella, a bactéria responsável por quadros de intoxicação alimentar. O influenza H1N1 está num laboratório de nível 3 de biossegurança, onde se trabalha com micróbios altamente patogênicos para o homem, mas contra os quais a medicina dispõe de algum controle. Nos de nível 4, estudam-se vírus como o ebola, em relação aos quais não há defesa conhecida. O acesso a esses centros é muito restrito. "Se, porventura, o vírus da gripe espanhola contaminar algum pesquisador, é fácil identificar quem esteve com ele e, assim, conter a infecção rapidamente", diz o infectologista Luiz Jacintho da Silva, pesquisador da Universidade Estadual de Campinas.

Há 146 tipos de vírus influenza. De todos, o H1N1 permanece o mais agressivo. Com o seu seqüenciamento genético, foi possível determinar que ele pulou diretamente de seu hospedeiro natural (as aves) para os seres humanos. O outro único influenza com essa característica é o H5N1, causador da gripe aviária. Recentemente, a iminência de um alastramento dessa doença entre seres humanos colocou o mundo de prontidão. O avanço das pesquisas sobre o vírus da gripe espanhola deve auxiliar na decifração do mecanismo de ação do H5N1.

(Giuliana Bergamo)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Dom Jul 26, 2009 4:25 pm

Cientistas recriam vírus da gripe espanhola

Os cientistas que ressuscitaram o vírus da gripe espanhola disseram na quarta-feira que estão começando a entender por que ele causou uma epidemia tão mortal, com cerca de 50 milhões de vítimas fatais, e advertiram que a pandemia pode se repetir.
Eles começaram a comparar as mutações genéticas da gripe de 1918 com as que estão sendo observadas no vírus H5N1, da gripe aviária - que já matou milhões de aves, além de alguns seres humanos, na Ásia -, na esperança de conseguir prever e talvez prevenir uma pandemia semelhante.

"Achamos que tínhamos de recriar o vírus e realizar essas experiências para compreender as propriedades biológicas que tornaram a variante de 1918 tão mortal," disse Terrence Tumpey, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) em Atlanta, que ajudou a escrever as reportagens publicadas em conjunto esta semana pelas revistas Nature e Science.

O experimento, no qual o vírus foi recriado através de um processo chamado genética reversa, com amostras do vírus de 1918, permitiu aos pesquisadores testá-lo em laboratório e em vários animais.

O estudo vai ajudar a responder dúvidas importantes, disse Jeffery Taubenberger, do Instituto de Patologia das Forças Armadas em Rockville, Maryland.

"Como o vírus passou para os seres humanos e como a pandemia começou? A segunda questão é compreender por que esse vírus em particular foi tão virulento", disse Taubenberger a repórteres numa entrevista por telefone.

"O que podemos aprender em cima do que ocorreu em 1918 para nos prepararmos para uma futura pandemia de influenza?," perguntou ele.

Taubenberger afirmou que é possível criar vacinas que tenham como alvo as mutações observadas na pesquisa.

A equipe utilizou fragmentos do vírus retirados de amostras preservadas das vítimas da epidemia, e também do cadáver de uma vítima retirado de um túmulo congelado no Alasca em 1998.

Com esses fragmentos, fizeram uma réplica do vírus de 1918 e trouxeram-no de volta à "vida" - os vírus não estão exatamente vivos, como os outros micróbios - combinando-o com frangmentos de vírus modernos da gripe e cultivando-o em bactérias.

"Acreditamos hoje, com a melhor interpretação dos dados disponíveis, que o vírus de 1918 era um vírus semelhante ao aviário que se adaptou nos seres humanos," disse Taubenberger.

Isso o torna diferente dos vírus que provocaram as outras duas pandemias de gripe do século 20, em 1958 e em 1967. Naqueles casos, vários vírus de gripe trocaram genes entre si e se tornaram especialmente virulentos. "Os dados indicam que as pandemias podem se formar de mais de uma maneira," afirmou ele.

Houve várias alterações em cada gene do vírus de 1918, disse Taubenberger, e o vírus da gripe aviária está começando a apresentar algumas dessas alterações, mas o processo parece estar no princípio, afirmou.

As conclusões reforçam a preocupação das autoridades de saúde com o vírus H5N1, que ainda não infecta os seres humanos com facilidade, mas que já matou mais de 60 pessoas em quatro países da Ásia. São necessárias apenas algumas mutações para que o vírus que matou milhões de pássaros se torne tão infeccioso e mortal quanto entre os seres humanos.

Mas agora os cientistas estão começando a entender quais são essas mutações, e podem começar a tentar produzir drogas e vacinas para combatê-las.

"Identificamos várias proteínas do vírus que foram essenciais para o desenvolvimento da doença pulmonar grave," disse Tumpey.

A principal, afirmou, foi uma proteína chamada hemaglutinina - o "H" dos nomes dos vírus da gripe. Quando a hemaglutinina do vírus de 1918 foi substituída pela hemaglutinina da gripe moderna, o vírus resultante não foi mortal.

Uma outra proteína, a neuraminidase, sofreu mutação no vírus da gripe espanhola de modo a conseguir se replicar sob condições incomuns, talvez numa área mais profunda do pulmão que outros vírus da gripe. A neuraminidase responde pelo "N" dos nomes das gripes.

A gripe espanhola foi uma H1N1, bem diferente da H5N1, ressaltaram os pesquisadores. Eles também afirmaram que suas experiências não trazem nenhum perigo, pois estão sendo realizadas em laboratórios especiais.

Todos os vírus humanos da gripe descendem do da gripe espanhola, o que significa que as pessoas têm alguma imunidade a eles, disse Julie Gerberding, diretora do CDC. O que é perigoso em relação à H5N1, a gripe aviária, é que as pessoas não têm imunidade a ela.

Se não for o H5N1, algum outro vírus influenza com certeza causará uma pandemia, que será muito pior que a da gripe espanhola, disse Gerbeding. "A maioria dos especialistas concorda que não se trata de uma questão de ''se'' - e sim de ''quando,"'' disse ela.

"Essas importantes pesquisas criam novas informações e novas pistas que nos ajudam a nos preparar para a pandemia."

(Reuters)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Dom Jul 26, 2009 4:37 pm

A PANDEMIA DO LUCRO

Que interesses económicos se movem por detrás da gripe porcina?

No mundo, a cada ano morrem milhões de pessoas vitimas da Malária que se podia prevenir com um simples mosquiteiro.
Os noticiários, disto nada falam!

No mundo, por ano morrem 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia evitar com um simples soro que custa 25 centimos.
Os noticiários disto nada falam!

Sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas, provocam a morte de 10 milhões de pessoas a cada ano.
Os noticiários disto nada falam!

Mas há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves...
...os noticiários mundiais inundaram-se de noticias...

Uma epidemia, a mais perigosa de todas...Uma Pandemia!

Só se falava da terrífica enfermidade das aves.

Não obstante, a gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas, em 10 anos...25 mortos por ano.

A gripe comum, mata por ano meio milhão de pessoas no mundo. Meio milhão contra 25.

Então, porque se armou tanto escândalo com a gripe das aves?

Porque atrás desses frangos havia um "galo", um galo de crista grande.

A farmacêutica transnacional Roche com o seu famoso Tamiflú vendeu milhões de doses aos países asiáticos.

Ainda que o Tamiflú seja de duvidosa eficácia, o governo britânico comprou 14 milhões de doses para prevenir a sua população.

Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas farmacêuticas que vendem os antivirais, obtiveram milhões de dólares de lucro.

Antes com os frangos e agora com os porcos.

Sim, agora começou a psicose da gripe porcina. E todos os noticiários do mundo só falam disso...

Já não se fala da crise económica nem dos torturados em Guantánamo...

Só a gripe porcina, a gripe dos porcos...

E eu pergunto-me: se atrás dos frangos havia um "galo"... atrás dos porcos... não haverá um "grande porco"?

A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú. O principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro, Donald Rumsfeld, secretario da defesa de George Bush, artífice da guerra contra Iraque...

Os accionistas das farmacêuticas Roche e Relenza estão esfregando as mãos, estão felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso Tamiflú.

A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da saúde.

Não nego as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos países.

Mas se a gripe porcina é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios de comunicação...

Se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade, porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la?

Prescindir das patentes da Roche e Relenza e distribuir medicamentos genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres. Essa seria a melhor solução.

PASSEM ESTA MENSAGEM POR TODOS LADOS, COMO SE TRATASSE DE UMA VACINA, PARA QUE TODOS CONHEÇAM A REALIDADE DESTA "PANDEMIA".

(Sónia Falcão)


Última edição por Anarca em Qua Ago 19, 2009 9:37 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: OFTALMOLOGIA EM SANTA MARIA - 10 MILHÕES DE CEGOS...   Ter Jul 28, 2009 3:06 pm

Sabotagem pode ter provocado cegueira nos operados em Santa Maria

Uma alegada chamada anónima realizada sábado para o Hospital de Santa Maria está a desviar a investigação aos seis casos de cegueira na direcção da farmácia. Segundo o Público de hoje, em causa está a hipótese de sabotagem

Não se sabe quem realizou a chamada, se foi do interior ou de fora do Hospital de Santa Maria, e por que foi feito o telefonema de sábado.

Todavia, segundo a edição de hoje do Público, a alegada denúncia indica que, com o medicamento Avastin – cujos malefícios têm sido discutidos, mas que não deveria causar este resultado – foi administrada uma substância tóxica.

«O que foi injectado no dia 17 de Julho a seis doentes era Avastin que estava contaminado ou estava adulterado ou era outro medicamento», disse Monteiro Grilo, director do Serviço de Oftalmologia do hospital lisboeta, ao jornal diário.

A hipótese sabotagem junta-se a outras teorias, como uma eventual troca de medicamentos, adulteração do Avastin, ou falhas no seu armazenamento.

(SOL)


PS: Me engana que eu gosto...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Ter Jul 28, 2009 3:07 pm

Os médicos têm a obrigação de garantir que os medicamentos que administram são os correctos e estão em boas condições. Como o fazem, não tenho nada a ver com isso. Se o fazem eles próprios ou se delegam na Farmácia a responsabilidade última é sempre deles. Não percebo porque é que o medicamento não é entregue selado ao médico e este não abre a embalagem e prepara o medicamento.

Não me admiraria que com a guerra das Farmácias que está em curso o gang do irrascível Cordeiro e o lobby das Farmácias não tivessem sabotado o medicamento para atirarem com as responsabilidades para a Farmácia Hospitalar com a esperança de beneficiarem alguma coisa com isso. Desta máfia das Farmácias é de esperar tudo. Eles são o pior crime organizado a actuar em Portugal.

De resto, esta é só mais uma das promessas não cumpridas de José Sócrates. Ele tinha prometido que ia liberalizar a propriedade das Farmácias e impedir qualquer cidadão ou empresa de possuirem mais do que uma Farmácia, mas na verdade não cumpriu com nada do que prometeu.

(SOL - Zeus)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Ter Jul 28, 2009 3:09 pm

Como de costume os “Srs. Dotores” estão a preparar o terreno para safarem o coiro em Tribunal. Nada melhor do que espalhar a confusão para dificultar o apuramento da verdade. Quanto mais teorias da conspiração forem inventadas, mais difícil será o trabalho das autoridades no apuramento de responsabilidades.

Mas como é óbvio o Hospital tem um sistema e uma equipa de segurança. Tem sistemas de video-vigilância. Ninguem pode entrar no Hospital sem autorização da Segurança do Hospital e desatar a sabotar medicamentos. Logo, se houve alguma entrada ilegal no Hospital, os serviços de Segurança e a Administração têm que responder por isso.

No entanto, mesmo que tenha havido uma série de conspirações em cadeia (o que é quase impossível) tal não iliba os médicos e enfermeiros que administraram os medicamentos de responsabilidades. Os médicos e enferemeiros têm a obrigação de se certificarem que os medicamentos que administram são os correctos e estão em boas condições. Não há qualquer desculpa possível.

(SOL - Zeus)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qua Jul 29, 2009 1:44 pm

Coimbra não usa fármaco injectado em Santa Maria

Os Hospitais da Universidade de Coimbra - como o Hospital de Faro e Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental - também não usam o Avastin. Dois doentes poderão recuperar "alguma visão", mas é ainda cedo para haver certezas.

Se o Hospital de Faro nunca usou o Avastin em intervenções oftalmológicas, ontem soube-se que este medicamento também nunca foi aplicado em injecções intra-oculares nos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC).

Mais uma unidade hospitalar a preferir fármacos alternativos, como decidiu fazer em Outubro de 2008 o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental - que agrega os hospitais de Santa Cruz, S. Francisco Xavier e Egas Moniz.

"Não temos nada contra a droga. É utilizada nos melhores serviços do mundo e tem salvo a visão a milhões de pessoas", alegou ontem Joaquim Murta, director do Serviço de Oftalmologia da Clínica Oftalmológica dos HUC, sobre o Avastin - nome comercial do princípio activo bevacizumab.

Os HUC optaram por fármacos similares - como o Lucentis e o Macugen (ler caixa) - "por uma questão de política do serviço", por causa de contratos assinados e por "opção científica", já que são objecto de estudos internacionais, explicou o responsável.

Sob anonimato, um oftalmologistas dos HUC disse ao JN nunca ter usado o Avastin como terapêutica para tratar retinopatia ou degeneração macular. Por várias razões. A principal, apontou, por o medicamento não ter sido sujeito aos testes pivotais de garantia "demorados e complexos" - em cobaias animais e humanas - a que foram submetidos os outros dois fármacos.

Este especialista confirmou que esta terapêutica - a injecção no interior do olho - é amplamente usada na América do Sul e nos EUA, mas sobretudo em instituições de saúde privadas.

A recusa pessoal em usar o Avastin foi ainda justificada por não ter a aprovação da Roche para tratamentos oftalmológicos - a carta foi enviada pelo laboratório aos hospitais em Fevereiro de 2009 -, e não estar licenciado pelo Infarmed para esse efeito.

Para Joaquim Murta, os casos de cegueira no Hospital de Santa Maria (HSM) estarão relacionados com um dos procedimentos do "acto cirúrgico". Ou seja, da preparação da âmpola que é aplicada em vários doentes.

Convicção partilhada pela nossa fonte, já que o produto injectado "foi manuseado e manipulado numa farmácia" e não em meio laboratorial.

Na véspera, na conferência de Imprensa ao lado do corpo clínico do HSM, o presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, António Travassos, também se afirmou "absolutamente convencido que se trata de uma endoftalmite química" relacionada com uma substância tóxica, já que o "produto injectado" nunca tinha causado anteriormente tal efeito.

Depois da intervenção cirúrgica a que foi submetido sábado, Walter Bom, 47 anos - que ficou sem visão nos dois olhos -, e da conferência de Imprensa de domingo, ontem não houve sessão de esclarecimento presencial.

Anteontem à tarde, o director do serviço de Oftalmologia do HSM, Monteiro Grilo, adiantou que três doentes estavam "estáveis" e que outros dois "tiveram melhorias significativas". Estes poderão recuperar "alguma visão", mas os restantes quatro têm "prognóstico mais reservado" e a equipa médica ainda não decidiu se serão operados.

Os resultados do inquérito ao que se passou deverão ser conhecidos dentro de dias.

(Jornal de Notícias)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qua Jul 29, 2009 1:46 pm

Especialista em farmácia hospitalar afasta hipótese de sabotagem

Em oftalmologia uma ampola de Avastin pode ser repartida por dez doses.

Os erros de dosagem ou de preparação de medicamentos nas farmácias hospitalares das grandes unidades de saúde variam entre os dois e os sete por cento, segundo estudos internacionais, avançou ao Expresso José António Feio, da Secção de Ensaios Clínicos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, garantido ainda que desconhece qualquer caso de sabotagem.

"Se os procedimentos forem feitos correctamente no local de preparação do medicamento, à partida, só deve existir aquela molécula, ou seja, quando estamos na câmara a preparar um medicamento só lá deve existir aquele medicamento ou aquele tratamento para um doente, o que diminui significativamente a probabilidade de troca e acidentes no momento da preparação", afirmou o especialista em farmácia hospitalar.

O Expresso sabe, no entanto, que a hipótese foi durante esta manhã investigada por duas técnicas da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde no Santa Maria no sentido de traçar o percurso habitualmente realizado entre a unidade centralizada de preparação de medicamentos deste hospital lisboeta e o bloco operatório de oftalmologia onde na sexta-feira, 17 de Julho, foram tratados seis pacientes que acabaram por cegar.

Sobre o transporte dentro do hospital, ainda que dependa muito de unidade para unidade, José António Feio conta que em Coimbra os medicamentos são transportados entre a farmácia e os pontos onde vão ser administrados por "pessoas responsáveis e no momento da entrega alguém recebe e confirma que recebeu", mas "para além destes medicamentos, circulam muitos outros como estupefacientes, morfinas, psicotrópicos, etc."

José Feio garante ainda que estes medicamentos são preparados por equipas especializadas constituídas por farmacêuticos e por técnicos de farmácia de acordo com procedimentos normalizados o que acaba por assegurar a sua preparação tal como foi investigado pelo laboratório.

"No caso do Avastin ou do Lucentis que também pode ser usado neste tipo de tratamentos (da degenerescência macular da idade) nós preparamos, selamos a seringa que é perfeitamente identificada com rótulos que identificam o doente, a dose, a hora a que foi preparada e tudo o que foi feito que permita ao enfermeiro ou ao médico identificar correctamente no momento da administração que aquela seringa é para aquele doente", disse ainda este especialista, acrescentando: "No caso da oftalmologia são eles que vêm buscar esse medicamento."

Recorde-se que, quando usada para curar o cancro uma ampola de Avastin é aplicada num único doente, mas em oftalmologia pode ser repartida por dez doses.

Segundo José Feio, a inspecção de todos estes procedimentos está a cargo do Infarmed- Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde recaindo sobre toda a farmácia hospitalar ou sobre sectores específicos.

"Em Junho tivemos uma inspecção que foi desde o armazenamento de medicamentos, passou pela área dos ensaios clínicos e principalmente pela área onde se preparam medicamentos para cancro", rematou José Feio.

O Expresso tentou, sem sucesso, obter este tipo de esclarecimentos junto do Hospital de Santa Maria que não quis fazer qualquer comentário enquanto decorrer a investigação ao sucedido.

(Expresso)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qui Jul 30, 2009 5:09 pm

Investigadores do DIAP no Santa Maria especializados em "negligência médica"

A equipa do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa a investigar os casos de cegueira no Hospital de Santa Maria é "especializada em crimes de negligência médica", disse hoje, quinta-feira, a directora do organismo.

À margem da inauguração da nova sala multioperacional do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) em Lisboa, Maria José Morgado informou os jornalistas que os casos de reacção adversa após um tratamento oftalmológico envolvem "investigadores especializados em crimes de negligência médica e com procuradores e uma procuradora responsável com grande experiência na matéria, que sabem trabalhar de forma pluridisciplinar".

Seis doentes ficaram cegos depois de terem sido operados devido a uma degeneração macular associada à idade, a 17 de Julho, pela mesma equipa, no serviço de Oftalmologia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

"Estes fenómenos só podem ser investigados de forma pluridisciplinar, com o apoio de equipas médicas e do Instituto Nacional de Medicina Legal, do Infarmed e dos especialistas na matéria. E em coordenação também com a polícia, se for o caso", disse Maria José Morgado.

A procuradora-geral adjunta escusou-se a comentar uma pergunta sobre o início das diligências sem serem conhecidas as conclusões da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde, reforçando, porém, a colaboração com esta e outras entidades.

Já o procurador-geral da República, Pinto Monteiro, começou por comentar o caso, colocando uma questão: "Quem é o cidadão que não fica preocupado com um casos desses?".

"Sempre que estão em causa pessoas, qualquer cidadão se preocupa. O que posso dizer é que desde o momento em que a senhora Dra. Maria José Morgado instaurou o inquérito foram já feitas inúmeras diligências. Tomara eu que a Justiça em Portugal andasse assim", disse.

O responsável máximo do Ministério Público admitiu a possibilidade de as diligências das diversas entidades se complementarem, incluindo as conclusões médicas.

"O DIAP vai reunir todos os elementos e depois tirar uma conclusão, se possível", acrescentou, garantindo não ter ficado surpreendido pela abertura de uma investigação judicial sem ter sido comunicada suspeita de crime.

"O DIAP e o Ministério Público existem para casos desses. Se houvesse crimes eram crimes públicos, não precisamos de participação nenhuma", afirmou.

O Ministério Público abriu terça-feira um inquérito-crime ao caso, tendo o processo sido distribuído à 6.ª secção do DIAP de Lisboa, que "é especializada na matéria", segundo explicou na altura a Procuradoria-Geral da República.

Além da investigação determinada pelo DIAP, estão em curso outras duas investigações ao caso: uma da responsabilidade da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), para verificar em termos laboratoriais o medicamento (Avastin) aplicado aos doentes, e outra da iniciativa da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS), para apurar o que realmente se passou relativamente a este caso.

(Jornal de Notícias)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qui Ago 06, 2009 4:41 pm

Laboratório dos EUA apresenta vacina para aprovação

Os laboratórios da farmacêutica Baxter concluíram a produção dos primeiros lotes comerciais de uma vacina para a Gripe A, depois de terem inoculado mais de 3.500 pessoas no quadro de um ensaio de fase III. A vacina sintetizada pelo grupo norte-americano, denominada Celvapan, é a primeira a ser submetida à aprovação dos reguladores internacionais.Comentar Artigo Aumentar a fonte do texto do Artigo Diminuir a fonte do texto do Artigo Ouvir o texto do Artigo em formato áudio

O grupo norte-americano Baxter International assumiu nas últimas horas a dianteira da corrida à comercialização de vacinas contra a nova variante do vírus da gripe, uma combinação das estirpes humana, suína e aviária identificada em Março no México. Os primeiros lotes para distribuição internacional foram produzidos no final de Julho, mediante um processo de cultura de células que se revelou mais célere do que o método tradicional utilizado na produção de vacinas para a gripe - a cultura de amostras do vírus no interior de ovos de galinha.

Na fase III dos testes, a última antes dos pedidos de autorização para o abastecimento do mercado, envolveu mais de 3.500 pessoas, que foram inoculadas com um "protótipo" baseado numa diferente estirpe pandémica. A empresa prevê proceder, durante o mês de Agosto, a ensaios clínicos suplementares em adultos, idosos e crianças.

Os laboratórios da Baxter estão "em discussões com as autoridades sanitárias para a distribuição" da vacina, indica um comunicado distribuído esta quinta-feira pela farmacêutica norte-americana. Os reguladores dos Estados Unidos e da Europa prepararam mecanismos de aprovação rápida, de modo a garantir os abastecimentos até ao início do Inverno no Hemisfério Norte. Cinco dias formam o prazo de aprovação de vacinas para a Gripe A definido pela Agência Europeia de Medicamentos.

A Baxter recebeu pré-reservas para 80 milhões de doses por parte das autoridades sanitárias de cinco países, incluindo a Grã-Bretanha, a Irlanda e a Nova Zelândia. Os Estados Unidos, entre os países mais afectados pela Gripe A H1N1, ainda não celebraram qualquer acordo com o grupo. Deborah Spak, porta-voz da farmacêutica norte-americana, explica que a ausência dos Estados Unidos na carteira de pré-reservas se deve à "escala de produção".

Testes em curso na Europa e nos Estados Unidos

A australiana CSL foi a primeira farmacêutica a ensaiar uma vacina para o H1N1 em seres humanos. Os testes decorrem na Austrália. Os três maiores produtores de vacinas para a gripe convencional, Sanofi-Aventis, Novartis e GlaxoSmithKline, encontram-se em fases díspares da produção.

O gigante suíço Novartis, detentor de uma carteira de pré-reservas para mais de 35 países, iniciou há dez dias um período de testes que deverá prolongar-se por um ano e abranger seis mil pessoas de todas as idades na Grã-Bretanha, Alemanha e Estados Unidos, mas prevê que a sua vacina chegue ao mercado antes do termo dos ensaios. Os laboratórios da Sanofi-Aventis, responsáveis pela produção de 40 por cento das vacinas distribuídas à escala global, espera começar os seus próprios testes dentro dos próximos dias na Europa e nos Estados Unidos. A GlaxoSmithKline, com pré-reservas para 291 milhões de doses, ainda não tem uma data prevista para o início do período de testes.

A farmacêutica AstraZeneca tenciona dar início a ensaios clínicos nos Estados Unidos a partir de 17 de Agosto: a sua unidade MedImmune produz uma vacina para a gripe que é administrada por via nasal.

(Diário Económico)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Sex Ago 07, 2009 2:00 pm

Novas vacinas sem ensaios

Organização Mundial de Saúde recomenda vigilância intensa

As entidades reguladoras de China, Alemanha, Austrália, Reino Unido e EUA podem vir a aprovar o licenciamento de novas vacinas contra a gripe A e começar a administrá-las às populações a partir de Setembro. Os testes já decorrem nesses países, mas a pressão do tempo pode levar a que etapas na produção da vacina não sejam cumpridas, abreviando-se a segurança demonstrada nos ensaios clínicos. Essa urgência levou ontem a Organização Mundial da Saúde (OMS) a recomendar uma vigilância "intensa".

O secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro, revelou ao CM 'cautela' quanto à possibilidade de Portugal vir a adquirir uma vacina que poderia revelar falta de segurança clínica e eficácia. 'Portugal aguarda pela posição assumida pela OMS.'

Questionado sobre a falta de uma pré-reserva das vacinas, anunciada pela ministra da Saúde, Ana Jorge mas não confirmada junto dos laboratórios farmacêuticos, Manuel Pizarro afirmou que 'os portugueses terão acesso à vacina em condições similares aos outros cidadãos'.

Para já as atenções estão viradas para os laboratórios que estão a produzir as vacinas. Ontem, a Baxter anunciou já ter uma disponível.

A OMS considera imprescindível haver uma 'vigilância intensa' em especial nos países que estão 'a suspender alguns ensaios clínicos'. A OMS adverte para 'alguns efeitos secundários, raros nos ensaios clínicos, que podem tornar-se patentes na vacinação em massa. Aquele organismo calculava que uma nova vacina não estaria pronta antes de Novembro, quando sujeita com rigor a todos os ensaios clínicos necessários.

(Correio da Manhã)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Seg Ago 10, 2009 5:13 pm

Caso dos seis doentes que ficaram cegos

Morgado impõe silêncio no caso da cegueira em Sta. Maria

A investigação ao caso dos seis doentes que ficaram cegos no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, ainda não constitui arguidos e está numa fase embrionária, apesar das várias informações que tem sido divulgadas, designadamente por parte dos responsáveis clínicos.

(Correio da Manhã)


PS: A culpa foi da seringa...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Ter Ago 18, 2009 12:59 pm

Algarve está sem controlo do vírus H1N1

O vírus da gripe A (H1N1) está sem controlo no Algarve, com a região a registar já uma cadeia de transmissão na comunidade. Uma situação que justifica o aumento do número de novos casos em Portugal. Nas últimas horas registaram-se mais 149 novos infectados, totalizando 1210 casos de infecção confirmada desde Maio.

Nuno Mourão, director da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital Curry Cabral (HCC), em Lisboa, uma das unidades de referência para os casos de gripe A, explicou a situação: 'Admitimos todos, pelo número de casos que aparecem de doentes provenientes do Algarve, para o qual não se encontra qualquer ligação epidemiológica com outros doentes, que possa haver já uma cadeia de transmissão na comunidade.'

Uma das doentes mais recentes, que passou férias no Algarve, foi internada sexta-feira naquela unidade de saúde. Trata-se de uma mulher de 48 anos que regressada a casa, em Santarém. Começou com sintomas gripais e dirigiu-se ao Serviço de Urgência do hospital daquela cidade. 'A doente está com pneumonia e está internada na UCI com prognóstico reservado', afirmou Nuno Mourão. A mulher tem antecedentes de doença crónica, que os médicos escusaram-se a pormenorizar.

Sem doenças anteriores está uma segunda paciente, também com complicações associadas à infecção da gripe A. Trata-se de uma mulher de 30 anos, que teve um bebé há pouco tempo. Tem pneumonia e foi internada no HCC quinta-feira, depois de transferida do Hospital de São Francisco Xavier. 'Nas últimas horas registou uma ligeira melhoria da sua situação clínica.'

(Correio da Manhã)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qua Ago 19, 2009 12:02 pm

Infectados sem saberem

Loulé: Falha provoca atraso de mais de uma semana no aviso a pessoas com gripe A

Uma "falha técnica" fez com que doentes com gripe A só soubessem o resultado da análise mais de uma semana depois de realizado o teste em Loulé. O Ministério da Saúde (MS) assumiu ontem ao CM o erro e, sem esclarecer quantas pessoas foram afectadas pela falha, referiu que alguns pacientes só serão contactados hoje ou amanhã.

Ana Belo, 21 anos, foi um desses casos. "Ela andava com dores de cabeça, de garganta e febre", contou ao CM a mãe, Filomena Belo. "Liguei para a Linha Saúde 24 e aconselharam-me a ir com ela ao Serviço de Atendimento de Loulé", continua Filomena, que cumpriu a indicação no dia seguinte, 10 de Agosto. "Fizeram a análise e disseram-me que se fosse positiva no dia seguinte diziam alguma coisa".

Como não foi contactada, Filomena Belo decidiu ligar para tentar saber o resultado da análise. "Disseram-me para esperar mais um dia, mas se não houvesse notícias é porque ela não tinha gripe A", recorda.

Foi o que sucedeu. Filomena não voltou a ter qualquer contacto do Serviço Nacional de Saúde até ontem, quando, por telefone, lhe comunicaram que a filha, afinal, estava mesmo contaminada com o vírus H1N1.

O gabinete de imprensa do Ministério da Saúde garante que o problema está resolvido e reconhece que houve mais casos, "tanto positivos como negativos" de pessoas que só souberam o resultado vários dias depois de terem feito a análise. "Há pessoas que só amanhã [hoje] ou no dia seguinte é que vão ser contactadas", explicaram ainda, garantindo que a situação só aconteceu em Loulé.

Filomena Belo refere que, ao fim de dois sem qualquer contacto por parte do Serviço Nacional de Saúde, passou a fazer "a vida normal" com a filha. O MS acredita que se até agora Filomena não teve qualquer sintoma "é porque provavelmente não foi contagiada".

Ana Belo, entretanto, está praticamente curada, apesar de não ter feito qualquer tratamento específico para gripes. "No Centro de Saúde de Loulé, além da análise à gripe A, diagnosticaram-lhe uma otite", diz Filomena Belo. Ana foi tratada como se tivesse essa doença.

(Correio da Manhã)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qua Ago 19, 2009 12:57 pm

Sátira aos homens quando estão com gripe

Pachos na testa
terço na mão
uma botija
chá de limão
zaragatoas
vinho com mel
três aspirinas
creme na pele
grito de medo
chamo a mulher -
ai Lurdes Lurdes
que vou morrer
mede-me a febre
olha-me a goela
cala os miúdos
fecha a janela
não quero canja
nem a salada
ai Lurdes Lurdes
não vales nada
se tu sonhasses
como me sinto
já vejo a morte
nunca te minto
já vejo o inferno
chamas diabos
anjos estranhos
cornos e rabos
vejo os demónios
nas suas danças
tigres sem listras
bodes de tranças
choros de coruja
risos de grilo
ai Lurdes Lurdes
que foi aquilo
não é a chuva
no meu-postigo
ai Lurdes Lurdes
fica comigo
não é o-vento
a cirandar
nem são as vozes
que vêm do mar
não é o pingo
de uma torneira
põe-me a santinha
à cabeceira
compõe-me a colcha
fala ao prior
pousa o Jesus
no cobertor
chama o doutor
passa a chamada
ai Lurdes Lurdes
nem dás por nada
faz-me tisanas
e pão de ló
não te levantes
que fico só
aqui sozinho
a apodrecer
ai Lurdes Lurdes
que vou morrer.

(António Lobo Antunes)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qua Ago 19, 2009 4:10 pm

A Vacina Assassina...

Recebi um mail com esta informação e confesso não ter tido tempo para verificar toda a história, mas lembrando-me das negociatas do Tamiflu quando surgiu a "terrível" pandemia das Aves e dos desejos de genocídio dos Bilderbergs, Iluminatis e outros defensores da Nova Ordem Mundial, pareceu-me que a devia divulgar.

Aconteça o que acontecer NÃO tome!
A vacina será tripla. Contem mercúrio e óleo de esqualeno, que são altamente tóxicos. Na América, a loucura já chegou ao ponto de dizerem nas Televisões que mercúrio é bom para população! Na veia, para ser mais directo.
Segundo parece a primeira vacina faz com que as hemácias caiam drasticamente, a segunda injecta o vírus, e a terceira "liga" o corpo de novo para ele começar a lutar. Aí já é tarde, tamanha a violência do ataque dos vírus que já se multiplicaram.

Uma jornalista austríaca Jane Burgermeister, lançou um processo contra a ONU (Organização Mundial da Saúde) acusando-os de tentativa de assassinato em massa das populações do planeta, através de vacinação compulsória de uma vacina que está cheia de agentes altamente letais e tóxicos e a Novartis por genocídio e lucro com a venda da vacina. (Detalhe: a gripe "apareceu" no México e, curiosamente, uma das fábricas da Novartis fica á 50km de onde o primeiro foco começou.)
NÃO acredite em nada que lhe dizem. Duvide de tudo. Faça sua própria pesquisa. É real, e está a acontecer agora.

www.davidicke.com
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Seg Set 14, 2009 4:19 pm

Imunização contra a pandemia da burrice…!!

Morrem todos os anos milhões de pessoas vítimas de Malária que se podia prevenir com um simples mosquiteiro. Morrem todos os anos 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia evitar com um simples soro que custa 25 cêntimos. Morrem todos os anos 10 milhões de pessoas com sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas. Mas raramente os noticiários falam disto.

Porém, há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves, os noticiários mundiais inundaram-se de notícias... Uma epidemia, a mais perigosa de todas... Uma Pandemia! Não obstante, a terrífica gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas - 25 mortos por ano. Ora a gripe comum mata anualmente meio milhão de pessoas.

Porquê, então, tanto escândalo com a gripe das aves?! Porque atrás desses frangos havia um “galo” de crista grande.

Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas farmacêuticas que vendem os antivirais – panaceias que apenas aliviam sintomas, mas nada curam – obtiveram milhões de dólares de lucro.

Primeiro foi a gripe das aves, agora é a dos porcos. E todos os noticiários do mundo só falam disto... Já não se fala da crise económica nem das políticas educacionais nem dos problemas ambientais... Só a gripe A, a gripe dos porcos...

(Tem o nome adequado de quem lucra com ela…!)

Na gripe dos suínos há um fenómeno novo: a Vacina!

Pois é!... Tantos anos e ainda não se conseguiu inventar uma vacina eficaz para a gripe comum e em 2 meses criaram a salvação da gripe A! – Uma vacina que obviamente não funciona – mas se vende aos milhares.

E já estão encomendadas vacinas para 30% da população portuguesa. Sem comentários.

Se atrás dos frangos havia um “galo”, não haverá também um “grande porco” atrás da gripe suína? (Pois….)

A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú.
O principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro, Donald Rumsfeld( quem mais poderia ser….?), secretário da defesa de George Bush ( pois….), artífice da guerra contra Iraque (e não só…).

Os accionistas da Roche e da Relenza esfregam as mãos, felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso Tamiflú.

A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da saúde.

Não devem descurar-se as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos países. Mas se a gripe porcina é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios de comunicação e se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade, porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la? ( são parvos não….?)

Por que não prescindir das patentes da Roche e da Relenza e distribuir medicamentos genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres? ( Os ricos enriquecem cada vez mais porque há muitos pobres, não é porque a riqueza se transmita como “eles” esperam da gripe A…;)

Reenvia, se achares que os seres humanos te merecem algum respeito…
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Seg Set 14, 2009 10:14 pm

É hora de acordar
O vírus da gripe suína foi criado em laboratório, como tentativa de extermínio da população humana, por parte de uma pequena elite mundial que se julga dona do planeta e de todos os seres humanos.
Esta pequena elite domina completamente todas as áreas da nossa sociedade, nomeadamente a nível de órgãos de comunicação social, sistema financeiro/bancário, serviços de inteligência, e em especial, a grande maioria dos Governos mundiais.
Esta pequena elite funciona através de agendas compartimentadas, e através de diversos grupos/organizações como os Bilderberg Group, Trilateral Comission, Council on Foreign Relations, ONU, World Health Organization, entre outras.
No que concerne ao vírus de gripe suína, este é uma variação da estirpe gripal que atingiu a Espanha no princípio do século XX, denominada Influenza Espanhola.
O grande problema actualmente não reside no vírus em si, mas nas vacinas que supostamente trazem a salvação.
Por conseguinte, e por forma a levar a cabo este extermínio massivo da população humana, a forma mais eficaz de tal loucura ser atingida, é através de campanhas massivas publicitárias, tanto a nível de anúncios, como de notícias, por forma a manter os seres humanos com medo, e a se submeterem de livre vontade a tais vacinas.
Caso a população em cada país resista, estão já a preparar legislação de forma a obrigar as pessoas a tomarem as injecções.
Informe-se, não acredite em nada, INVESTIGUE, a sua vida está nas suas mãos

(Sol - freedomformankind2012)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Qui Set 17, 2009 6:07 pm

Vacina da gripe A pode ser fatal

Pandemia: Documento secreto refere risco de paralisia e morte

A nova vacina da gripe A pode provocar uma doença neurológica grave, a síndrome Guillain-Barré, que causa paralisia, insuficiência respiratória e pode levar à morte.

O alerta parte do Governo britânico que, através da Agência de Protecção da Saúde (Health Protection Agency), entidade que supervisiona a saúde pública, enviou uma carta confidencial aos neurologistas a exigir saber por que razão não foi tornada pública a informação sobre as possíveis consequências da vacina antes do início da vacinação de milhões de pessoas, incluindo crianças .

A missiva dá conta de que os neurologistas devem estar alerta para um aumento do número de casos de distúrbios cerebrais com a síndrome Guillain-Barré, que podem ser desencadeados pela vacina. Aquela síndrome ataca o sistema nervoso, causando paralisia e incapacidade respiratória, o que pode ser fatal.

O documento confidencial foi enviado a 600 neurologistas britânicos a 29 de Julho e é o primeiro sinal de que há preocupação ao mais alto nível sobre as possíveis complicações muito graves decorrentes da vacina .

A carta refere ainda o uso de uma vacina semelhante nos Estados Unidos, em 1976, quando morreram mais pessoas devido à vacinação do que devido à gripe. Além disso, 500 casos da síndrome foram detectados e concluiu-se que a vacina pode ter aumentado o risco da doença em oito vezes. A vacina foi retirada ao fim de dez semanas, quando foi estabelecida uma ligação clara com a síndrome. Por fim, o governo americano foi obrigado a pagar milhões de dólares de indemnização às pessoas afectadas.

Questionado pelo CM sobre os efeitos adversos da vacina, o presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de Saúde Pública, Mário Jorge Rêgo, admitiu as consequências: "Essa situação é muito bem conhecida da classe médica." Adiantou, porém, que quase todas as vacinas e as infecções podem causar essa síndrome, mas o aparecimento destes casos são raros. Contudo, disse, "as vacinas não estão isentas de riscos."

(Correio da Manhã)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Dom Set 27, 2009 1:44 pm

(Antes da Gripe dos Porcos era a Gripe das Aves)

Relatório da OMS...

A Organização Mundial de Saúde, naturalmente preocupada com a futura pandemia de gripe das aves que, como se sabe, poderá ser transmitida a alguns mamíferos bípedes, acaba de divulgar um relatório que se apresenta em rigoroso exclusivo.

O que é a gripe das Aves?
É uma espécie de constipação mas mais forte. Dá nas Aves.

Qual é a diferença entre a Gripe das Aves e a Doença das Vacas Loucas?
Boa pergunta. A gripe é coisa de passarinhos fracos. As Aves contaminadas morrem de tanto espirrar. Não há cura. A doença das vacas loucas hoje em dia cura-se com psicanálise.

A gripe das Aves afectará os ovos da Páscoa?
Sim. Por isso é de evitar comer os brindes.

Posso partilhar seringas com um Pinguim?
Na boa! Os pinguins estão habituados ao frio e não apanham gripe.

Posso ter relações sexuais com a minha galinha?
Só depois de a registar.

Porquê H5N1 ou Gripe das Aves?
Foi uma questão de direitos comerciais! A outra hipótese era A Doença das Aves Loucas ou mais conhecida por BSE light.

Quais são os sintomas que posso ter?
Primeiro um desejo incontrolável de comer alpista. Depois começará a bater os braços. Atenção! Não suba às árvores! A gripe não o fará voar!
Finalmente sentirá uma excitação involuntária nas partes baixas com os desenhos animados do Tweety.

A morte é violenta?
Sentirá um formigueiro a percorrer-lhe o corpo e morrerá electrocutado com as calças em baixo e agarrado à televisão.

Há maneira de evitar a Gripe das Aves?
Não. Mas cientistas estão divididos. Sabemos que a chegada à Europa e futura contaminação do Continente é certa como dois e dois serem quatro. Mas enquanto uns pensam em matar as Aves migratórias na esperança de atrasar o flagelo, outros pretendem engordá-las o suficiente de modo a que lhes custe mais voar e assim demorarem mais tempo a chegar.

Como sei se uma ave tem a doença?
É fácil! As Aves contaminadas têm uma voz anasalada e trazem sempre um pacote de Kleenex debaixo da asa.

O que faço às galinhas e aos patos lá do quintal?
Cabidela, Arroz... Compre o Pantagruel!

Não! O que faço para evitar que adoeçam?
Um cachecol e um chá antes de deitar.

Ouvi dizer que existe uma vacina. Onde posso comprar?
Em qualquer talho ou supermercado! No KFC, na compra de um menu grande oferecem também uma seringa e uma ampola.

A Águia Vitória tem de ser abatida? Pode passar aos benfiquistas?
Depende do desenvolvimento da pandemia! Com sorte, quem sabe?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Sex Out 09, 2009 4:33 pm

URGENTE
O vírus da gripe suína foi criado em laboratório, como tentativa de EXTERMÍNIO DA POPULAÇÃO HUMANA, por parte de uma pequena ELITE MUNDIAL que se julga dona do planeta e de todos os seres humanos.
Esta pequena elite domina todas as áreas da nossa sociedade, nomeadamente indústrias energéticas e farmacêuticas, sistema bancário e financeiro, serviços secretos de inteligência, COMUNICAÇÃO SOCIAL, e em especial a grande maioria dos Governos mundiais. Esta elite funciona através de agendas compartimentadas, disseminadas por várias organizações como os Bilderberg Group, Trilateral Comission, Council on Foreign Relations, ONU, World Health Organization, entre outras.
É esta Elite que está a implodir a economia e a destruir o dólar, para apresentar uma nova moeda global. São eles que controlam TODO O DINHEIRO. Eles mandam no World Bank, International Monetary Fund, Federal Reserve e o Banco Central Europeu. INVESTIGUE
A missão dos políticos é apenas apresentar a agenda, mantendo as pessoas ocupadas e divididas a lutar umas contra as outras.
Em relação ao vírus, o problema está nas vacinas que poderão conter o próprio vírus, bem como causar outros efeitos secundários letais.
Para realizar o extermínio, é necessário manter as pessoas assustadas, para que se submetam de livre vontade às vacinas.
A próxima estirpe do vírus vai ser lançada nos primeiros meses de 2010 e vai ser mais mortífera.
INVESTIGUE, SE TEM AMOR À VIDA.
http://ahumanidadeestaemperigo.blogspot.com/

(Sol - freedomformankind2012)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Sex Out 30, 2009 8:45 pm

A gripe A ou o triunfo dos porcos

José Sócrates e seu Governo, antes das eleições que tiraram ao PS a maioria absoluta, fizeram uma campanha mediático-alarmista enorme quanto à gripe A.
Todos nós viamos serem tratados com Tamiflu montes de pessoas suspeitas de terem gripe A ou simplesmente por terem estado em contacto com o atingido pela gripe A.
Pois bem, agravada a pandemia, depois das eleições, os serviços de Saúde passaram a ser apenas uma linha telefónica com muitas opções! Ligar para o número indicado significava ouvir um conjunto de informações sobre opções. Nada mais!
Era como se a gripe A fosse a coisa mais normal do Mundo.
Quando as pessoas são atingidas pela gripe A já não são medicadas com Tamiflu, são apenas mandadas para casa!!!
Uma filha de um colega meu, com 11 anos, apanhou a Gripe A.
Não foi medicada. Nada lhe foi prescrito, apesar de ter sido positivo o exame laboratorial.
O pai, meu querido colega, não foi medicado.
Os serviços de Saúde Portugueses nada fizeram.
Mandaram a criança e o pai, obeso por sinal - para casa sem medicação!
Isto é uma total incúria!
Afinal percebemos que tudo não passou de propaganda de Sócrates e sua equipa!

Um nojo estes políticos portugueses!

Quando é que o Povo se revolta?

A revolta é um direito do Povo! Uma forma de alteração constitucional legítima!

Por Portugal contra os porcos!

(José Maria Martins)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Ter Jan 12, 2010 1:38 pm

Gripe A - Lucros de 5 mil milhões

12 Janeiro 2010

Os ganhos de cinco mil milhões de euros da Indústria Farmacêutica no fabrico de vacinas contra a gripe A e antivirais estão sob suspeita do Conselho da Europa. A entidade está a avaliar a possibilidade de criar uma comissão de inquérito para analisar a pressão que os laboratórios terão exercido na Organização Mundial de Saúde (OMS) para ter declarado a doença como uma pandemia, avança o Correio da Manhã. Só Portugal gastou até Dezembro passado 90 milhões de euros, 45 milhões dos quais em vacinas.

Segundo o presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, Wolfgang Wodarg, a campanha da "falsa pandemia da gripe, criada pela OMS e outros institutos em benefício da IF, é o maior escândalo do século na Medicina", escreve o jornal.

O médico alemão é responsável pela proposta a ser debatida com carácter de urgência no próximo dia 25, alegando exagero da OMS sobre os perigos da gripe A. "O COnselho da Europa vai organizar um debate sobre a influência da indústria na OMS e, posteriormente, serão informados dos resultados 47 parlamentos da Europa", acrescentou Wolfgang Wodarg. Vários países europeus têm reservas de milhões de doses de vacinas que os seus cidadãos recusam tomar.

(Coreio da Manhã)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Anarca



Mensagens : 13405
Data de inscrição : 02/06/2009

MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   Seg Jul 26, 2010 6:12 pm

Inspecções no SNS descobrem desde negligência a roubos

26.07.2010

De negligência a roubos, há de tudo em meia centena de casos examinados em 2009 pela Inspecção-Geral das Actividades em Saúde nos serviços públicos

Uma ligadura esquecida dentro do corpo de um doente operado. Um médico a tratar os seus doentes privados à custa do centro de saúde público. Um funcionário demitido por ter faltado 437 dias seguidos ao serviço. Outro por ter roubado taxas moderadoras. E um diagnóstico de cancro feito tarde de mais.

São algumas das muitas histórias contadas pela cerca de meia centena de acusações disciplinares feitas, em 2009, pela Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS).

As situações de alegada negligência ou erro médico no diagnóstico e no tratamento são as mais comuns nos processos investigados pela IGAS, sendo os partos aqueles que mais queixas originam. Mas há muitos casos insólitos e outros tantos assustadores no dia-a-dia do Serviço Nacional de Saúde.

(Sol)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O NEGÓCIO DA SAÚDE EM PORTUGAL
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte
 Tópicos similares
-
» Tópicos de ensinamento CCP Congregação Cristã em Portugal
» História da Congregação Cristã em Portugal
» Plano de Negócio - Projeção Inicial de Vendas
» pizzaiolo para PORTUGAL
» Pizzaria em Portugal

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
A LIBERDADE É AMORAL :: NOTICIAS E ACTUALIDADES-
Ir para: